Publicidade
Manaus
Manaus

‘Estado Islâmico versão baré’: crimes bárbaros estão virando rotina em Manaus

Estupros, imolações e esquartejamentos aterrorizam cada vez mais a cidade sem despertar o mesmo choque na sociedade em geral 22/11/2015 às 16:24
Show 1
Ana Carolina, de 18 anos, foi esquartejada e teve partes do corpo jogadas no rio
joana queiroz ---

Os crimes bárbaros praticados pelo grupo terrorista Estado Islâmico chocam o mundo. No portfólio de crimes deles estão a decapitação de jornalistas, funcionários de agências de ajuda humanitária, reféns estrangeiros e queima de prisioneiros vivos e estupro de mulheres. Mas aqui no Amazonas crimes com essas características estão acontecendo com alguma frequência sem despertar o mesmo choque na sociedade.

O terror, de acordo com as autoridades de segurança, é fruto de disputa entre grupos rivais pelo controle da venda de droga. Os assassinatos seguidos de esquartejamento estão virando rotina, segundo o coordenador do Instituto Médico Legal (IML) Carlos Procópio.

Um exemplo foi o da jovem Ana Carolina Nascimento dos Santos. O corpo dela foi encontrado na manhã do dia 4 deste mês sem a cabeça, sem os braços e as pernas e com mais de 15 facadas. A jovem foi achada boiando em um lixão no rio Negro próximo ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA).

Dias depois o braço foi achado no Roadway, no Centro de Manaus e depois uma das pernas foi encontrada no igarapé do Mindu no Parque 10, Zona Centro-Sul. Ela foi assassinada no bairro Novo Aleixo, Zona Leste.

Os assassinos foram presos e contaram com detalhes a barbárie.Uma semana depois, outro crime com características semelhantes no mesmo bairro onde Ana Carolina morava. Desta vez a vítima era Pablo de Souza Garcez, 35, que foi cortado na altura do tronco e teve os braços retirados. A polícia prendeu Mário Antônio Tavares Guerreiro, que confessou o crime.Em março o Paulo Pereira, 25, foi encontrado esquartejado dentro de um saco plástico na rua Índia Porã, no bairro Amazonino Mendes, Zona Norte.

O crime, segundo a polícia, foi atribuído como acerto de contas do tráfico uma vez que ele era usuário de droga. O tronco da vítima estava enrolado em um saco de estopa, e a cabeça, braços e pernas foram encontrados em outro saco, em local com várias perfurações que aparentavam ser de terçado e faca no rosto, tórax e abdômen. Pessoas também foram queimadas por criminosos. No dia 10 deste mês, um crime bárbaro chocou o município de Coari.

Durante um assalto em um motel, o vigia Sebastião Pablo da Silva, de 49 anos, e o filho Thiago Oliveira da Silva, 18, foram torturados e amordaçados. O jovem teve 80% do corpo queimado durante a ação dos bandidos por dois homens que invadiram o motel para roubar. Após não encontrarem nada de valor, torturaram as vítimas e jogaram gasolina no corpo do rapaz e em seguida atearam fogo.

Publicidade
Publicidade