Publicidade
Manaus
Manaus

‘Estandarte do povo’ elege melhores do Carnaval 2013

A escola de samba campeã do Estandarte do Povo, premiação de A CRÍTICA, e do grupo especial de Manaus será conhecida nesta segunda-feira (11) 11/02/2013 às 11:36
Show 1
Aproximadamente 150 mil pessoas passaram pelo Sambódromo durante o desfile das escolas de samba do grupo especial de Manaus, segundo a polícia
Náferson Cruz ---

O prêmio “Estandarte do Povo”, entregue pela Rede Calderaro de Comunicação (RCC), vai eleger, nesta segunda (11), os melhores do Carnaval 2013 em sete categorias: Bateria, Harmonia, Fantasia, Mestre Sala e Porta Bandeira, Enredo, Samba Enredo e Comissão de Frente, além da grande campeã, que será a escola que obtiver a maior pontuação entre os sete quesitos. O prêmio sairá junto com o resultado oficial do desfile das escolas de samba do grupo especial do Carnaval de Manaus, que será conhecido hoje. O início da abertura dos envelopes com as notas dos jurados está marcado para as 14h, no Sambódromo.

O corpo de jurados convidados pela RCC é composto por cinco apaixonados pelo Carnaval, em sua maioria jornalistas. Apenas um deles era estreante na incumbência: o jornalista Leandro Guerreiro Tapajós, que também é artista plástico. Já o jornalista e compositor Mário Adolfo, diretor executivo do jornal Amazonas Em Tempo, voltou a compor o júri do Estandarte, depois várias participações na década de 80. A diretora de redação do jornal A CRÍTICA, Aruana Brianezi, e professora de dança da Universidade Estadual do Amazonas (UEA), Lia Sampaio, e o jornalista Júlio Pedrosa completaram o time.

Após o desfile, os jurados apontaram características marcantes do prêmio. Para Mário Adolfo, o prêmio passa longe de ser tradicionalista ou conservador. “Isso é o termômetro do que foi a apresentação das escolas de samba. O Estandarte conseguiu captar as mudanças que ocorreram na história das agremiações, muitas vezes, mais rápido do que o próprio julgamento oficial”, comentou.  “O diferencial é que o jurado do Estandarte está num outro ponto do Sambódromo, além de acompanhar pela mídia televisiva, ou seja, tem uma contextualização distinta dos jurados oficiais, visualizamos o desfile como um todo”, completou

Outra característica apontada como critério para a premiação é a alegria e a irreverência. Missão, claro, nada fácil, diante dos espetáculos que as escolas de samba prepararam, como definiu Júlio Pedrosa. “O que mais me chamou atenção foi a criatividade, a escola que causou impacto e me trouxe emoção”, ressaltou o jornalista.

Para Aruana Brianezi, o desfile superou as expectativas. “Esperamos escolher a que levou mais emoção e teve empatia com o público”, disse. Ela ressalta a importância do prêmio, promovido pela RCC, lembrando o desafio que é, para o júri, ser os “olhos do povo” na apresentação: “Apesar de observarmos critérios técnicos, temos em mente o tempo todo que este é um prêmio popular. Aqui, o que interessa é mesmo o que o povo gosta”.

Índice zero de casos mais graves

Segundo a estimativa do Gabinete de Gestão Integrada (GGI), da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) é de que 150 mil pessoas tenham passado pelo Centro de Convenções (Sambódromo), durante o desfile das escolas da samba do grupo especial.

O GGI informou que este ano o índice de ocorrências graves registradas no posto de atendimento da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), montado na área externa do Sambódromo, foi zero.

A principal ocorrência foi com uma das baianas mais antigas da Mocidade de Aparecida, Maria de Nazaré Aspencer, 87, que passou mal antes de entrar na avenida. A idosa precisou ser atendida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e foi encaminhada ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Alvorada, Zona Oeste. Ela foi medicada e estava consciente.

Publicidade
Publicidade