Domingo, 05 de Dezembro de 2021
Sem aulas

Estudantes de medicina da UFAM alegam estarem sendo impedidos de realizarem matrícula

Em nota de repúdio, discentes afirmam que sequer estão sendo ouvidos pela direção do curso



show_ufam_00229CF2-8BB8-4ECC-834A-397B1DD115DB.jpg Foto: Divulgação
07/10/2021 às 16:24

Estudantes do Centro Acadêmico de Medicina Humberto Mendonça e do Conselho de Representantes de Turma do curso de Medicina da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) afirmam que estão sendo impedidos pela Coordenação e Direção da Faculdade de Medicina da UFAM de realizarem matrícula para as aulas referentes ao segundo semestre do curso.

Os discentes vêm reivindicando abertamente o retorno das atividades presenciais na instituição, ou pelo menos de maneira híbrida. O grupo alega que a flexibilização das restrições impostas por conta da Covid-19 e boletins epidemiológicos evidenciam as necessárias condições para o retorno das aulas. No entanto, até o presente momento não existiria qualquer diálogo entre a direção da faculdade de medicina e os estudantes.

“Atualmente a coordenação de curso bloqueou a abertura de matrícula de disciplinas do quarto ao oitavo período, referentes ao segundo semestre. Não somos ouvidos ou recebidos pela coordenação para conversar sobre [o retorno das atividades], tratam a situação das diferentes turmas (que estão com diferentes situações) como se fossem todos iguais. Não retornam ligações, mensagens e nem atendem a pedidos de reuniões protocolados. Já fomos a reitoria, e a reitoria informa que as coisas devem ser resolvidas com a coordenação de curso e a diretoria da unidade e aí ficamos nesse ciclo sem fim”, afirma o acadêmico do curso de medicina da UFAM, Erick Vinicius Fernandes Pacheco.

O discente protocolou um oficio junto ao gabinete da reitoria da instituição solicitando uma reunião conjunta da reitoria, pró reitora, coordenação do curso da medicina e diretoria da unidade, a fim de conseguir uma solução para o retorno das atividades acadêmicas. No entanto, segundo ele, até o presente momento não houve resposta definitiva para resolução dessas problemáticas.

De acordo com o acadêmico, o último diálogo entre estudantes e direção do curso de medicina da UFAM ocorreu no início de setembro, em uma reunião.

“A faculdade de medicina e seus colegiados estão dificultando soluções, não nos ouvindo e nem nos recebendo. Quando vamos para as reuniões colegiadas nossas falas não são registradas nas atas. Mal nos deixam falar”, afirma Erick.

Segundo o calendário de atividade da Universidade Federal do Amazonas, neste ano estão previstos dois semestres de aulas, ambos referentes ainda à 2020, sendo que os correspondentes a 2021 devem ser realizados apenas no próximo ano, juntamente com um semestre de 2022.

Nota de repúdio

Em busca de respostas por parte da Coordenação e Direção da Faculdade de Medicina da UFAM, os estudantes do Centro Acadêmico de Medicina Humberto Mendonça e do Conselho de Representantes de Turma do curso de Medicina emitiram na quarta-feira (7) uma nota de repúdio contra a atual direção da faculdade de medicina.

“Desde o início da nova gestão da coordenação e direção, o diálogo entre discentes e essas instâncias vem ocorrendo de forma custosa. O CAMED-HM e o Conselho de Representantes de Turma repudiam o descaso com as demandas dos discentes que vêm sendo recorrentemente negadas, ignoradas ou obstaculizadas sem justificativas claras”, diz parte da nota.

A Crítica tentou contato com a Universidade Federal do Amazonas e até o momento aguarda retorno.




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.