Terça-feira, 12 de Novembro de 2019
‘Buracões’ nas ruas

Estudo investiga aparecimento de ‘voçorocas’ no bairro São José, Zona Leste de Manaus

A pesquisa, realizada por alunos da Escola Estadual Dr. Isaac Sverner, com apoio da Fapeam, vai identificar e mapear incisões erosivas de alto grau, os “buracões”, pelas ruas do bairro



unnamed.jpg A identificação das “voçorocas” será realizada com ajuda do software chamado “Google Wolf” (Divulgação)
16/08/2016 às 21:20

Projeto aprovado no Programa Ciência na Escola (PCE), fomentado pelo Governo do Estado, via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), pretende identificar incisões erosivas do tipo voçoroca no bairro São José Operário, na Zona Leste de Manaus. O projeto será realizado por alunos da Escola Estadual Doutor Isaac Sverner, localizada nesta mesma zona.

Segundo a coordenadora do projeto, a professora e mestre em Geografia, Anne Carolina Marinho Dirane, o trabalho consiste na identificação e mapeamento das incisões erosivas, as chamadas “voçorocas”, que são consideradas erosões de grau mais alto. Entre os comunitários, esse fenômeno é conhecido popularmente como “buracões”. “Nosso foco é identificar se no nosso bairro ocorre esse tipo de erosão e, a partir daí, mapear as localizações. Sabemos que a erosão é um processo natural, que é bastante intensificado pela ação humana. O bairro São José começou como uma ocupação irregular e, geralmente, ocupações irregulares favorecem esse tipo de erosão”, explicou a professora.



A identificação das áreas com “voçorocas” será realizada com a ajuda do software chamado “Google Wolf”. A tecnologia realizará uma varredura por toda a extensão do bairro e irá apresentar ao grupo de pesquisa as áreas propensas ao processo erosivo. “À medida que encontrarmos áreas propícias ao ‘voçorocamento’, vamos coletar o ponto e usar um programa chamado ‘ArcGIS’ para buscar a localização. Assim que tivermos certeza que há um ponto de ‘voçoroca’, vamos mapear e mensurar o tamanho da erosão”, explicou a coordenadora.

Para a professora, a pesquisa realizada no âmbito escolar contribui para a inserção dos alunos no universo científico e também colabora com a ampliação da consciência ambiental da classe estudantil e dos moradores do bairro. “Além de mostrar pros alunos como ocorre e quais os estágios do ‘voçorocamento’, vamos fortalecer uma consciência ambiental e destacar que nossas ações podem intensificar as erosões e, futuramente, queremos apresentar os resultados também para a comunidade e poder público”, conta Anne.

A estudante do 1º ano do Ensino Médio, Letícia Feliz, 16, participa pela primeira vez de um projeto de pesquisa. Para a bolsista do PCE, o aprendizado tem sido útil dentro e fora da sala de aula. “Está sendo bom porque antes eu passava por essas áreas e as percebia com o senso comum. Atualmente, tenho uma visão diferenciada sobre o ‘voçorocamento’. Estamos aprimorando nossos conhecimentos nessa área”, conta a aluna.

*Com informações da assessoria de imprensa


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.