Publicidade
Manaus
Manaus

Ex-membro da FDN consegue habeas corpus e passa Natal e Ano Novo em liberdade

Ele foi mandado para casa por meio de um habeas corpus concedido pela desembargadora da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Encarnação das Graças Salgado 23/12/2015 às 21:23
Show 1
Ronarion teve pedido de habeas corpus aceito e vai passar o Natal e Ano Novo em liberdade
joana queiroz ---

O traficante de drogas e ex-membro da facção criminosa Família do Norte (FDN) Ronairon Moreira Negreiros, que estava preso há cinco meses no Comando de Policiamento Especial (CPE), vai passar o Natal e o Ano Novo em liberdade.

Ele foi mandado para casa por meio de um habeas corpus concedido pela desembargadora da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Encarnação das Graças Salgado.  A magistrada acatou o pedido da defesa do réu que justificou que o criminoso é portador de tuberculose e que precisava de tratamento especializado que não poderia ser realizado CPE.

Ronairon deixou o quartel acompanhado de sua advogada e vai ficar em prisão domiciliar sem monitoramento eletrônico. Na ordem de remoção, a desembargadora concede em favor do preso a substituição da prisão preventiva para prisão domiciliar no período de 90 dias, mas que ele seja submetido a monitoramento eletrônico por meio de tornozeleira.

A liminar poderá ser revogada se no período de 30 dias a Secretária de Administração Penitenciária (Seap) não conseguir o acessório para colocar no criminoso.  Nesse período, o interno também deverá ser submetido a tratamento médico.

No mês passado Ronairon foi impedido de ser mandado para casa por intervenção do Ministério Público Estadual (MPE), que encaminhou a cópia de um mandado de prisão preventiva em aberto em desfavor do traficante expedido pela Comarca do Rio de Janeiro, ao comandante do Comando de Policiamento Especial (CPE) tenente-coronel, Cleithman Coelho. De acordo com Coelho, o mandado de prisão da Justiça do Rio de Janeiro foi cancelado.

Prisão no RJ

Ronairon era comparsa do traficante Winchester Uchoa Cardoso, o ‘Chester’, morto decapitado no dia 7 de julho. Os dois foram presos em abril deste em Copacabana, Rio de Janeiro, e depois trazidos para Manaus, para aguardar julgamento.


Publicidade
Publicidade