Publicidade
Manaus
Manaus

Ex-presidiário é executado com três tiros na av. Torquato Tapajós em suposta vingança

Duas motocicletas passaram e os ocupantes, um homem e uma mulher, atiraram contra a vítima, que respondia na Justiça por homicídio qualificado 14/02/2016 às 15:54
Show 1
Uma câmera de vigilância de uma empresa poderá ajuda a polícia a identificar os assassinos
Fábio Oliveira Manaus

O ex-presidiário Inácio Ferreira da Silva, 56, foi executado com três tiros na manhã deste domingo (14) na avenida Torquato Tapajós, bairro Novo Israel, Zona Norte de Manaus, em frente a uma fábrica.

Para a Polícia Civil, a principal suspeita é de que o crime tenha sido motivado por vingança, uma vez que a vítima já respondia na Justiça do Amazonas pelo crime de homicídio qualificado.

De acordo com o delegado Fernando Bezerra, duas pessoas em motocicletas passaram no local e atiraram contra a vítima. Em uma moto estava um homem, que efetuou os disparos, e em outra motocicleta estava uma mulher.

Segundo informações de policiais militares da 18ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), a vítima estava atravessando a avenida na faixa de pedestre e, ao chegar à calçada, foi surpreendida pelos motoqueiros.

Conforma perícia da Polícia Civil, a vítima foi atingida por três tiros, sendo dois no tórax e um no ombro esquerdo. Os peritos recolheram na cena do crime as cápsulas de um revólver calibre 38.

O delegado Fernando Bezerra informou que ainda não tem pistas sobre o autor dos disparos, mas uma câmera de vigilância de uma empresa poderá identificá-lo. As imagens devem ser cedidas para a Polícia Civil, que ajudará nas investigações.

Em consulta ao site do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), a vítima respondia pelo crime de homicídio qualificado, ocorrido em outubro de 2015.

A Polícia Civil trabalha com a hipótese de acerto de contas motivado por vingança. O caso está registrado no 20º Distrito Integrado de Polícia (DIP), e a polícia investigará se o homicídio tem alguma ligação com o crime que a vítima respondia na justiça. O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros.

Publicidade
Publicidade