Publicidade
Manaus
CAS

Fábricas do PIM terão recurso de R$ 1,1 bilhão para modernizar a 'Indústria 4.0'

Um dos principais objetivos do programa federal é a renovação do parque industrial nacional bem como a incorporação de novas tecnologias. 01/03/2018 às 18:47
Show cas6   layana rios   suframa
(Foto: Layana Rios / Suframa)
acritica.com Manaus

A indústria amazonense poderá contar com recursos de R$ 1,1 bilhão para modernização no âmbito do programa federal “Estratégia Nacional para a Indústria 4.0”. Os recursos fazem parte dos R$ 8,3 bilhões que serão disponibilizados para toda a região por meio de um fundo gerido pelo Banco da Amazônia (Basa). O anúncio foi feito pelo ministro interino da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Jorge de Lima, durante a reunião do Conselho de Administração da Suframa (CAS) realizada nesta quinta-feira.

O ministro antecipou as ideias gerais do plano, cujo lançamento oficial ocorrerá no dia 14. Um dos principais objetivos é a renovação do parque industrial nacional bem como a incorporação de novas tecnologias.

“Nesse fundo, estão reservados o total de R$ 8,3 bilhões para a Amazônia, sendo R$ 1,1 bilhão especialmente para o Amazonas. São investimentos de 12 anos, com quatro anos de carência, podendo chegar a 20 anos se forem para aquisição de infraestrutura. Os juros serão entre 5,32% e 5,77% ao ano, em média”, explicou o diretor do Basa, Valdecir Tose.

A 282ª Reunião Ordinária do (CAS) foi comemorativa do 51º aniversário da autarquia e do modelo. Foram aprovados 30 projetos industriais e de serviços, sendo quatro de implantação e 26 de ampliação, atualização e diversificação, que somam US$ 106.876 milhões em investimentos totais e US$ 19.321 milhões em investimentos fixos. A estimativa é de geração de 572 empregos diretos ao longo de três anos de implementação. 

Pauderney
 Durante a reunião, o  deputado federal Pauderney Avelino (Democratas) comentou que, apesar das dificuldades, o modelo implantado em Manaus é um sucesso no desenvolvimento da região e da preservação da floresta Amazônica. “Somos solução de um modelo que foi implantado aqui para preservar a Amazônia, e ao longo de 51 anos nós temos o que mostrar”, afirmou Pauderney, lembrando o faturamento recorde de 2011, de US$ 41 bilhões e o número recorde de emprego, 130 mil em 2013.

Publicidade
Publicidade