Publicidade
Manaus
Distância

Falta de posto de saúde prejudica atendimento a grávidas

A falta de um posto básico de saúde no Conjunto Cidadão 10 está impossibilitando as grávidas de fazeram o pré-natal 12/08/2013 às 09:42
Show 1
Grávidas de três e quatro meses que residem no Conjunto Cidadão 10, na Zona Norte, reclamam da infraestrutura do local como a falta do transporte, assistência médica e acompanhamento
Jaíze Alencar Manaus

À espera da inauguração de uma Unidade Básica de Saúde da Família(UBSF), mãe inicia pré-natal aos quatro meses de gestação. Sueni Gato Penha, 19, mora no Conjunto Cidadão 10, na Zona Norte de Manaus, o bairro deve ser atendido pela UBSF-048, que apesar de estar pronta ainda não foi inaugurada. No início de 2013 quando descobriu que estava grávida, Sueni resolveu então esperar a inauguração da unidade para iniciar o pré-natal, mas o tempo foi passando e nada da unidade funcionar.

Aos quatro meses ela resolveu então procurar atendimento médico, foi até a UBSF-O47 que fica mais perto da casa dela, mas os funcionários da unidade recusaram-se à atendê-la, argumentando que ela não morava na área de cobertura da unidade.

Ela então foi em busca de atendimento no bairro Alvorada, Zona Oeste, lá ela só conseguiu ser atendida porque deu o endereço da sogra da irmã dela que mora na Alvorada. “Eu já sabia que eles iam dizer que não podiam me atender, então tive que mentir meu endereço para poder ter atendimento”, conta.

E quando fez a primeira consulta, o médico da unidade chamou a atenção de Sueni pela demora em iniciar acompanhamento. “Eu expliquei pra ele a minha situação, mesmo assim, levei uma bronca do médico e tive que fazer uma série de exames em cima da hora”.

Hoje aos oito meses de gestação, Sueni já planeja onde vai ser o parto, que deve ser realizado no próximo mês, setembro, e olha que curioso, ainda é possível que o bebê de Sueni chegue antes da inauguração da UBSF.

De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde(Susam) a inaugaração está prevista para acontecer entre setembro e dezembro, o que falta para a unidade são os equipamentos e os profissionais para atuarem. A assessoria informou ainda que o atraso na entrega da obra ocorreu porque houve troca de gestão e por se tratar de uma parceria público privada, foi necessário realizar novos procedimentos jurídicos que demandam tempo.

Complicações

A demora em iniciar o pré-natal pode trazer problemas para a mãe e o bebê. De acordo com o médico obstetra, Iran Grijo, a preocupação maior está no retardo do diagnóstico do número de embriões e de patologias como hepatite B ou C, rubéola, sífilis, HIV, anemia, infecção do trato urinário na mãe com resultados ruins no bebê. Dieta e administracão de ácido fólico são as recomendações.

Distância é um dos problemas

Para fazer as consultas, Sueni tem que ir na única linha de ônibus do Conjunto Cidadão 10 que vai para o Centro, 316, e o pior de tudo não é ter que acordar as cinco da manhã para conseguir chegar às sete horas na consulta, e sim, ter que descer na parada próxima à Rodoviária no bairro de Flores e ter que ir andando até a estrada dos Franceses onde fica a UBSF onde faz as consultas, uma distância de aproximadamente 2 quilômetros.

Para o médico obstetra Iran Grijo, as grandes distâncias percorridas não são problemas e sim, o percurso. “o problema está no piso que se caminha com resultado que podem desenvolver resultados desastrosos para a coluna por exemplo”.

Sueni tem mais um filho de um ano de idade, que não faz acompanhamento pediátrico. Na casa dela ainda tem o sobrinho de 9 meses na mesma situação.

Publicidade
Publicidade