Publicidade
Manaus
AJUDA

Família de menina com paralisia cerebral faz campanha para comprar cadeira de rodas

Giselly Silva de Andrade, de 6 anos, precisa de um acessório especial que custa R$ 7.580 e é produzido em São Paulo. Saiba como ajudar 29/09/2018 às 01:57 - Atualizado em 29/09/2018 às 09:04
Show menina paralisia ajuda 0c04411b 4261 4121 bf1c 73a2762cb2a5
Foto: Junio Matos
Priscila Rosas Manaus (AM)

A mãe de Giselly Silva de Andrade, de 6 anos, utiliza as redes sociais para arrecadar fundos para comprar uma cadeira de rodas adaptável para a filha que sofre de paralisia cerebral diplégica, a qual afeta principalmente os membros inferiores. Conforme a menina cresce é preciso mudar a cadeira de rodas que ela utiliza. Por causa dessa necessidade, desenvolveu uma escoliose, o que torna ainda mais essencial uma nova cadeira de rodas.

O objeto virá de São Paulo, pois não é produzido em Manaus, e tem um custo de R$ 7.580 fora a taxa do frete. Após o pedido, ela chegará aqui em 90 dias. Ela deverá usar até os 10 anos, quando precisará trocar por outra. De acordo com Diane Queiroz, 35 anos, mãe de Giselly, a menina já evoluiu muito desde o diagnóstico, porém, o tratamento é contínuo até que consiga andar de uma maneira mais independente.

Ajuda

“O que eu peço é que nos ajude porque ela está precisando muito. O quadro clínico dela já piorou bastante”, pede a mãe. Diagnosticada aos dois anos, a menina luta para se tornar o mais independente possível. São horas dedicadas a ida a médicos, fisioterapeutas e tratamentos. Tudo para garantir uma melhor qualidade de vida à Giselly. As sessões de fisioterapia são diárias e duram, em média, três horas.

De ônibus, as duas levam cerca de 40 minutos para chegar à clínica. “É uma luta diária”, afirma a genitora.

O tratamento de fisioterapia intensiva que a menina faz, o Therasuit, é essencial para o desenvolvimento dela. Ele a ajuda no processo de voltar a andar e no fortalecimento muscular. Cada ciclo do tratamento tem a duração de um mês, depois é feita uma manutenção duas vezes por semana. Esse processo todo tem duração de três meses. Um ciclo tem o custo de R$ 12.000.

Tratamento

Giselly chegou a fazer dois ciclos em 2015, durante seis meses custeado pelo Estado, mas teve que parar pois sua família não tinha renda suficiente para  dar continuidade ao seu tratamento.
Desde então, Diane trava uma batalha judicial para conseguir o tratamento da filha. Segundo ela, existem chances reais para a menina voltar a andar sem a necessidade de uma cirurgia.

Pneumonia

O tratamento também auxilia no aumento de imunidade e no fortalecimento do pulmão. Desde o término do segundo ciclo, Giselly já teve pneumonia cinco vezes. A última vez, ela ficou internada e, hoje, está em recuperação. A desnutrição contribuiu para isso.

A família possui dificuldades também para achar o suplemento que foi receitado para ela. Os remédios que a menina usa, tanto os de uso diário quanto os para a pneumonia, são caros. Os óculos precisaram ser trocados recentemente.

Como doar?

Para ajudar,  basta fazer a doação para o banco Caixa Econômica Federal, agência 3898, conta poupança em nome de Diane Queiroz da Silva, nº 00014526-6, ou no banco Bradesco, agência 3733, conta-corrente nº 00325929, no nome de Giselly Silva de Andrade. Para mais informações, acesse a página no Facebook Ajude a Giselly a Caminhar ou no Instagram através do @princesa_giselly.

Publicidade
Publicidade