Publicidade
Manaus
ARRASTÃO

Família de PM morto em assalto pede mais segurança na zona Norte

Denilson Xavier Torres tinha 10 anos de corporação e estava na banca de churrasco da esposa quando foi abordado e assassinado a tiros 01/10/2016 às 11:40
Show whatsapp image 2016 10 01 at 11.15.16
Ele ainda foi socorrido e levado ao SPA do Galileia, mas não resistiu aos ferimentos (Foto: Divulgação)
Luana Carvalho Manaus (AM)

Familiares do  sargento da Polícia Militar (PM) Denilson Xavier Torres, que faleceu na noite de sexta-feira (30), estão revoltados com a violência no bairro Monte Pascoal, Zona Norte. Segundo eles, Denilson foi vítima de latrocínio. “Ele estava sentado na banca de churrasco da minha mãe quando dois homens que estavam fazendo arrastão pediram o celular dele. Quando ele foi dar, os homens atiraram e ele reagiu”, contou o enteado dele, Ludemberg Lima, 15.

O corpo do policial foi velado na manhã deste sábado (1) em uma funerária no bairro Cachoeirinha, Zona Sul de Manaus. Porém, na rua 10, local onde os familiares da vítima moravam e onde o sargento foi morto, o sentimento é de tristeza e revolta. “Os homens desceram do carro no começo da ruas e vieram andando, fazendo arrastão. Quando chegaram na banca de churrasco da minha mãe, pediram o celular do meu padrasto (vítima). Ele ia tirar da pochete, mas acho que os homens viram a arma e atiraram”, relatou o enteado.

Houve trocas de tiros, mas moradores dizem que a situação é comum no local. “Moro aqui há 20 anos e a violência nunca esteve tão grande neste bairro. Praticamente todo dia a gente fica sabendo de um caso ou somos vítimas de assalto. Desta vez, ceifaram a vida do meu cunhado, um homem bom que ajudava todo mundo no bairro”, relatou a cunhada da vítima, que pediu para não divulgar o nome.

Denilson estava na corporação da Polícia Militar há mais de 10 anos, ainda segundo familiares. Ele foi morto com três tiros  por dois homens na noite de sexta-feira, por volta das 20h50, na rua Dez, no conjunto Monte Pascoal, no bairro Monte das Oliveiras, na Zona Norte de Manaus.

O sargento chegou a ser levado por familiares ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Galileia, na Zona Norte, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Publicidade
Publicidade