Terça-feira, 18 de Junho de 2019
REBELIÃO

Familiares de detentos vão ao IML em busca de notícias sobre mortos no Compaj

De acordo com informações da Polícia Militar, aproximadamente 80 pessoas foram assassinadas durante a rebelião que início no início da tarde de domingo (1)



00.JPG Familiares aguardam por notícias em frente ao IML (Foto: Winnetou Almeida)
02/01/2017 às 08:34

Familiares dos detentos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), localizado no Km 8 da rodovia BR-174, chegam a todo no Instituto Médico Legal (IML) em busca de informações sobre os parentes. De acordo com a Polícia Militar, aproximadamente 80 pessoas foram assassinadas durante a rebelião que iniciou no começo da tarde de domingo (1).

"Não tenho notícias alguma dele, mas ainda tenho esperança que ele esteja vivo", disse Dejane de Oliveira, 48, mãe de um dos detentos. "Meu filho estava cumprindo pena de 4 anos e dois meses por tráfico e já era pra estar no semiaberto, mas houve um erro na documentação e por isso ele ainda estava lá", contou, aos prantos.

A dona de casa Cleide Faria, 42, também aguarda esperançosa por notícias do marido, Paulo Victor, 37, condenado por assalto. Ela relatou que passou a virada do ano com o marido na cadeia e que ele não comentou sobre a rebelião. "Ele não disse nada, não esboçou nenhuma reação de que ia ter isso. Se eu soubesse eu não teria saído de lá, eu ainda dormi com ele e sai da cadeia ontem (domingo) pela manhã", disse.

Os portões do IML estão bloqueados e o acesso está restrito apenas para policiais e funcionários da segurança pública. A assessora de comunicação da Polícia Civil que está no local informou que as informações sobre números de mortos até agora só serão repassados em coletiva de imprensa ou por meio de nota. A Polícia Militar (PM), no entanto, fala em 80 assassinatos.

Receba Novidades


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.