Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Manaus

Federação e permissionários do transporte executivo e alternativo acham itens do edital prejudiciais

Walderiza Melo, presidente da Fecootram, explicou que há dois itens na licitação da Prefeitura de Manaus que prejudica boa parte dos autônomos que trabalham nesses tipos de transporte: o tempo de carteira assinada e a pontuação na Carteira Nacional de Habilitação



1.jpg
Para Walderiza Melo, mesmo o edital continuando sem alteração, a Fecootram permanece na luta para que os mesmo direitos sejam dados a todos que estão concorrendo no processo
10/07/2015 às 12:52

A Federação dos Cooperativos de Transporte do Amazonas (Fecootram) reuniu - no Sest/Senat, localizado na avenida Autaz Mirim, bairro do Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus, na manhã desta sexta-feira (10) - com permissionários das cooperativas dos executivos e alternativos para prestar esclarecimento sobre o processo licitatório proposto pela Prefeitura de Manaus que teve início na quarta-feira (8) e se estende até a próxima segunda-feira (13).

A presidente da Fecootram, Walderiza Melo, explicou que no edital há dois itens que prejudica boa parte dos autônomos que trabalham nos veículos alternativos e executivos. Os itens são: o tempo de carteira assinada e a pontuação de 24 meses na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Walderiza informou que a maioria dos que atuam nos últimos anos nos ônibus alternativos e executivos não possuem carteira assinada por serem autônomos e dificilmente não tenham pontos na carreira.

"A ideia do edital colabora para os trabalhadores do transporte público que também estão participando da licitação, pois as carteiras desses trabalhadores são assinadas por uma empresa que tem o CNPJ (precisa colocar o significado) e as multas desses trabalhadores também são destinadas à empresa, logo eles conseguem ter os 24 meses e isso ter um valor de 10 pontos ao certame", detalhou.

Por causa do pedido de modificação do edital, a licitação foi suspensa no dia 22 de junho e retornou nesta semana. "Vamos reunir hoje com a categoria para explicar que a situação continua sem alteração, mas que continuamos na luta para os mesmo direitos sejam dados a todos aqueles que estão concorrendo no processo licitatório", disse a presidente.

O edital destina 120 vagas para os executivos que hoje em Manaus circulam 260. No alternativo são 200 vagas para os 260 que circulam na capital. Walderiza disse que a federação também pede da Superintendência Municipal de Transporte Urbano (SMTU) que apresente o estudo que foi feito e mostra a melhor proporção de microônibus para a capital. Até o momento a Fecootram não obteve retorno da superintendência.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.