Publicidade
Manaus
CUSTO A R$ 368,09

Feijão, óleo e açúcar puxam queda da cesta básica em Manaus a custo de R$ 368,09

O feijão teve a maior redução, de -12,05%. Ao todo, nove produtos diminuíram de preço e três aumentaram: manteiga, pão e banana 06/07/2017 às 12:44 - Atualizado em 06/07/2017 às 13:02
Show 293518
Foto: Arquivo A Crítica
Vinicius Leal Manaus (AM)

O custo da cesta básica de Manaus diminuiu 1,82% no mês de junho em relação ao mês anterior, maio, conforme divulgou nesta quinta-feira (6) o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O preço do conjunto de alimentos essenciais ficou a R$ 368,09, mantendo a capital amazonense na 21ª posição do ranking das cestas mais baratas, entre as 27 capitais onde a pesquisa é realizada.

O feijão, o óleo de soja e o açúcar foram os responsáveis por puxar a queda do valor a cesta. Ao todo, nove produtos reduziram de preço e três aumentaram. O feijão (4,5 kg) teve a maior diminuição em relação ao mês anterior: -12,05%, ficando ao custo de R$ 5,69; depois vem o óleo (900 ml), que reduziu -4,85% e custando R$ 4,12; e o açúcar (3 kg) que também sofreu redução considerável: -5,07% e ficando a preço de R$ 2,62.

Os outros seis produtos que tiveram queda nos preços foram o tomate (12 kg) que reduziu -3,34% ficando a R$ 5,78; depois o café em pó (300 gr) que diminuiu -2,16% ficando a R$ 21,14; o leite (6 litros) -2,10% com preço a R$ 3,27; a carne bovina (4,5 kg) -1,67% com preço a R$ 20,02; a farinha de mandioca (3 kg) -0,60% ficando a R$ 5,01; e o arroz (3,6 kg) reduzindo -0,55% e o preço ficando em R$ 3,51.

Já os produtos que aumentaram de custo de junho em relação a maio foram a manteiga (750 gr), que apresentou maior alta no mês, em 2,89% e o preço indo para R$ 31,80; depois o pão francês (6 kg) que subiu 1,79% ficando a R$ 7,97; e depois a banana (7,5 dz) que aumentou 0,99% e ficou com preço a R$ 6,10.

No mês anterior, maio, o conjunto de itens alimentícios essenciais custava R$ 374,92. Já em comparação ao valor do mês de junho do ano passado, 2016, a cesta básica de Manaus custava R$ 384,00 ao bolso do trabalhador, uma variação acumulada de -4,14% nos últimos doze meses.

Tendência nacional

Segundo o supervisor técnico do Dieese, o economista Inaldo Seixas Cruz, a redução do preço da cesta em Manaus segue um comportamento nacional. “Mês passado o preso da cesta havia subido e a anterior também. Agora, depois de dois meses, ela voltou a cair. Muitos produtos baixaram seguindo a tendência do que foi a inflação geral. Manaus não foi a única cidade que baixou. Foram 23 capitais das 27 que tiveram esse comportamento”, disse.

Conforme Inaldo, a queda do valor da cesta também foi influenciada pela crise econômica. “Existe uma diminuição da demanda devido à crise econômica. Tem muitos desempregados, menos renda e menos capacidade de consumo, e assim menos pressão sobre os preços. Quem tem produtos e quer vender, tem que adequar. E também tem o impacto do dólar, que baixou e impactou na precificação dos produtos taxados em dólar, os commodities, além da influeência das safras recordes”.

Cesta x salário mínimo

Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em junho de 2017, 42,70% para adquirir os mesmos produtos que, em maio de 2017, demandavam 43,49%. Em junho de 2017, o tempo de trabalho necessário para adquirir os produtos da cesta básica em Manaus foi de 86 horas 25 minutos, ligeiramente inferior a jornada calculada para maio de 2017, de 88 horas e 2 minutos.

Alimentação básica

O custo da cesta básica para o sustento de uma família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças, sendo que estas consomem o equivalente a um adulto) foi de R$ 1.104,27 durante o mês de junho de 2017. Esse valor equivale a aproximadamente 1,18 vezes o salário mínimo bruto, fixado pelo governo federal em R$ 937,00. No mês anterior, o custo da cesta básica para esta mesma família era maior e foi de R$ 1.124,76, 1,20 vezes o salário mínimo bruto.

Publicidade
Publicidade