Domingo, 21 de Julho de 2019
Rumo a Parintins

Festival de Parintins esvazia Manaus

Capital do Amazonas ficará com pelo menos 30 mil pessoas a menos, que decidiram viajar para Parintins e conferir de perto a festa dos bumbás



1.png Na quarta-feira(26), no Porto de Manaus, grupo de amigos da Zona Oeste era só alegria na partida para o Festival Folclórico de Parintins
27/06/2013 às 10:12

Mais de 30 mil pessoas deverão sair de Manaus para brincar de boi em Parintins (a 325 quilômetros da capital). A estimativa é da Associação das Agências de Passagens do Transporte Aquaviário do Amazonas (Ageptram) e da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Pelos rios da Amazônia viajarão, aproximadamente, 12 mil pessoas. Esse é o número estimado de brincantes que adquiriu passagens em embarcações de linha. Já pelos ares, segundo a Infrarero, partirão mais de 18 mil passageiros rumo à ilha Tupinabarana, todos oriundos de Manaus.

Os números relacionados aos passageiros que vão da capital amazonense até Parintins  por meio dos rios podem ser ainda maiores já que não incluem as embarcações fretadas, que têm capacidade variando entre 250 e mil passageiros.

De acordo com o presidente da Ageptram, Altair Ribeiro, desde o início da semana o movimento é intenso no Porto de Manaus. “Os brincantes têm à sua disposição 150 embarcações, incluindo barcos de linha, fretados e lanchas, com passagens que variam de R$ 100 a R$ 250”, destacou.

De acordo com a Infraero, de 24 de junho a 2 de julho, período de alta temporada, o movimento o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes aumenta cerca de 20%.

Conforme um grupo de 16 amigos que embarcou, na tarde de ontem, para Parintins, a Zona Oeste de Manaus já está deserta. Eles representam os bairros da Glória, São Jorge, Alvorada e Compensa, e contaram que a maioria dos vizinhos já viajou para torcer pelos bumbás. Como os referidos bairros ficaram tranquilos demais, eles resolveram também partir em busca de festa e agitação.

Frequentadores da mesma academia, cada um tem uma história diferente, mas em comum todos têm a paixão pelo boi-bumbá. André Silva, 41, é arquiteto e anualmente programa as férias para a época do festival. “A gente passa o ano todinho dizendo que não vai e quando chega no último instante não dá para resistir.”

Raysa Cardenes, 19, está indo pela primeira vez e aproveitou as férias da faculdade para acompanhar o grupo que há quatro anos vai à ilha. Apesar de toda rivalidade, o grupo formado por apenas dois torcedores do boi caprichoso não se incomoda em ficar na torcida contrária acompanhando os amigos. É o caso de Leonor Brandão (Garantido) e Luana Gomes (Caprichoso). Elas começaram a amizade na ilha. “É melhor quando ficamos na galera contrária porque não contamos ponto como item e podemos aproveitar melhor o espetáculo”, disse Luana.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.