Publicidade
Manaus
TRÂNSITO

Flagrantes de imprudência mostram hábitos de condutores de moto em Manaus

Motociclistas de todas as zonas insistem em trafegar sem capacete e colocando vidas em risco, inclusive de crianças 25/06/2018 às 09:58 - Atualizado em 25/06/2018 às 10:00
Show 1529935027890103
Foto: A Crítica
Vanessa Marques Manaus (AM)

Todos os dias a redação de A CRÍTICA recebe dos leitores flagras de imprudências no trânsito, em sua maioria em motociclistas, com condutores que não usam capacete, pilotam com capacete no braço, com dois passageiros e até com recém nascidos, o que é proibido pela legislação.

Registros mais recentes enviados foram feitos nas avenidas Margarita, Noel Nutels e Torquato Tapajós, na Zona Norte, avenida  Grande Circular, na Zona Leste, alameda Cosme e Ferreira, também na Zona Leste,  e avenida do Samba, na Zona Oeste da capital. 

Conforme Código de Trânsito Brasileiro (CTB), conduzir motocicleta sem usar capacete de segurança com viseira ou óculos de proteção, é uma infração grave e com penalidade de multa, no valor de R$ 293,47.  A infração também é considerada gravíssima, podendo o motorista perder sete pontos na carteira, ser suspenso do direito de dirigir e ter o documento de habilitação apreendido.

Quem pretende andar com crianças em motocicletas deve, primeiramente, conhecer a lei: segundo o CTB, só é permitido transportar na garupa crianças maiores de sete anos e que tenham condições de cuidar da própria segurança.  Possuir essas condições significa conseguir apoiar os pés inteiros nas pedaleiras da moto (o que, dependendo do tamanho da criança, nem sempre acontece aos sete anos).

Portanto, mais do que a idade, é fundamental levar em conta a altura da criança para certificar-se de que realmente ele possa ser transportado com segurança na moto (caso ela não alcance os pedais, os pés podem enroscar na roda e provocar acidentes com lesões). O descumprimento dessas regras é considerado infração gravíssima (assim como descumprir a do transporte adequado de crianças em carros) e tem, como consequências ao condutor, multa de R$ 191,54, além de soma de sete pontos na carteira e retenção do veículo.

O código prevê que não seja feito o transporte de crianças doentes, em condições físicas que dificultem manter o posicionamento adequado na moto, ou ainda com braços e pernas engessadas. E mais: criança deve ir na garupa e não na frente do condutor, como não é raro de se ver.

Outras medidas obrigatórias são, assim como para qualquer passageiro na moto, que os pequenos usem capacete com a viseira abaixada (ou óculos de proteção). E a peça deve estar bem fixada à cabeça. Não adianta nada oferecer um capacete que seja muito maior que o tamanho da sua cabeça, pois irá soltar e não irá protegê-lo em caso de quedas e acidentes. Em caso de descumprimento, a infração também se encaixa como gravíssima.

A reportagem entrou em contato com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM) em busca de dados e outras informações sobre esse tipo de infração, mas não teve resposta até o fechamento desta edição.

4,4 mil atendimentos de acidentes 

Até a primeira semana de maio deste ano, a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) registrou, mais de cinco mil atendimentos envolvendo vítimas de acidentes de trânsito. Desse total, 4.411 foram de acidentes envolvendo motocicletas. Em 2017, a Susam atendeu 18.695 pacientes vítimas de acidentes com motocicletas e 12.351 com carros.

Publicidade
Publicidade