Terça-feira, 23 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Manaus

Flanelinhas faturam até R$ 400 por dia com aumento de vagas no Centro de Manaus

Guardadores de carro lucram em dobro com a liberação de 300 novas vagas no Centro, para as compras de fim de ano


04/12/2014 às 22:46

O guardadores de carros, mais conhecidos como "flanelinhas", dobraram a renda diária depois da liberação da avenida 7 de Setembro para estacionamento. Antes, eles arrecadavam aproximadamente R$ 200 em um dia de trabalho. Agora, com 300 novas vagas em via pública, os flanelinhas chegam a lucrar até R$ 400 por dia.

Eles tentam organizar o trânsito, conseguir vagas para os motoristas e reparar os veículos. O trabalho ocupa quase 15 horas do dia, de segunda-feira a sábado. Mas, apesar dos riscos, muitos afirmam que esta é a única maneira de sustentar a família. É o caso do guardador de carros Francisco Ferreira, de 67 anos. Ele trabalha há mais de 35 anos no Centro e é um dos flanelinhas mais respeitados da área. "Este é meu emprego e é como sustento minha casa há muitas décadas. Este é um trabalho como outro qualquer, com a diferença de que nunca temos uma certeza de quanto iremos ganhar em um dia".

Geralmente a renda aumenta todo fim de ano, mas este mês promete ser melhor, de acordo com Francisco. "Acredito que o mês de dezembro de 2014 vai ser excelente para os guardadores por conta do estacionamento liberado na avenida 7 de Setembro e em outras ruas. Cada um tem sua área e, como a rotatividade é grande, facilita muito", comentou.

'Intrusos'

Novos guardadores não têm vez no Centro. Quem chega de "intruso" é logo chamado atenção e expulso da área, uma vez que já existem 600 flanelinhas trabalhando no Centro, todos cadastrados pela Associação dos Guardadores e Lavadores de Veículos de Manaus (Aglavan).

"Através da padronização e da identificação do crachá, temos conseguido administrar bem a questão dos guardadores no Centro. Temos a Polícia Militar como parceira e nós estamos colaborando nas informações quando percebemos que algo ameaça nosso trabalho", informou o presidente da Aglavan, Henrique dos Santos, que trabalha na avenida Eduardo Ribeiro, no Centro, há 29 anos.

A padronização com crachá de identificação começou em setembro deste ano para impedir a atuação de trabalhadores irregulares. Os guardadores associados afirmam que não exigem um valor em dinheiro e que "cada cliente dá o que tem".

"Nosso diferencial é que não cobramos uma taxa. Os clientes pagam o que podem pagar. Muitos vêm fazer compras e dão os trocados, que pra gente já é bom. Enquanto os outros 'intrusos' chegam a taxar o valor cobrado. Já vi gente cobrando até R$ 10 para guardar o veículo", disse João Augusto, 46.

O guardador Claudinei Sarmento, 40, também está satisfeito com o movimento no Centro, mas teme ficar sem trabalho com chegada do sistema de estacionamento rotativo 'Zona Azul'. "O movimento está ótimo, muitas pessoas estão vindo fazer compras e esperamos uma melhora significativa a partir do dia 15, que é quando a população vem mais ao Centro. Tenho tirado entre R$ 250 e R$ 300 em um dia de trabalho, mas estamos preocupados porque no ano que vem já começa a 'Zona Azul'".

publicidade
publicidade
Câmara Municipal deve criar comissão para defender Zona Franca de Manaus
Motoristas do Amazonas vão poder parcelar IPVA atrasado em até 12 vezes
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.