Publicidade
Manaus
LUTO

'Foi uma covardia', diz filho de ex-deputado assassinado em Manaus durante velório

Glen Wildes Freitas definiu o pai como um apaixonado pela advocacia. Corpo de Armando de Oliveira Freitas foi velado na sede da Assembleia Legislativa, em Manaus 04/05/2018 às 22:06 - Atualizado em 05/05/2018 às 09:33
Show velorio
Foto: Antônio Lima
Vitor Gavirati Manaus (AM)

“Eu o amo e espero encontrá-lo no céu”. Esse é o recado que, caso pudesse, Glen Wildes Freitas, filho do ex-deputado estadual e advogado Armando de Oliveira Freitas, diria ao pai, que foi assassinado na manhã desta sexta-feira (4). O corpo de Armando está sendo velado na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), na Zona Centro-Sul de Manaus.

Armando foi atingido com três tiros dentro do próprio escritório de advocacia, localizado na rua Presidente Dutra, bairro Glória, Zona Oeste da capital.

Segundo Glen Wildes, que também é advogado, Armando era um apaixonado pela advocacia. “Meu pai fez mais de mil júris. A maioria deles absolveu”, conta o filho, que estava visivelmente abatido durante o velório.

Glen foi quem socorreu o pai após os disparos e o levou para o Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto. “Foi uma covardia. Não sei se foi assalto. A família está arrasada”, frisou o filho.

Grande perda

O procurador geral de prerrogativas da seccional Amazonas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM), Alan Feitoza da Fonseca, que é amigo pessoal de Glen Wildes, definiu a morte de Armando como uma grande perda para a advocacia.

“O Armando era um ícone da advocacia. Assumiu vários cargos de relevância pública, foi deputado estadual (eleito em 1982), fez defesas na advocacia criminal. É uma perda muito grande para a advocacia amazonense”.

Fonseca revelou que a OAB-AM vai acompanhar as investigações do assassinato de Armando e afirmou que a Ordem não tinha conhecimento de que o advogado, morto aos 79 anos, vinha recebendo ameaças.  “Como tem feito em todos casos em que advogados foram vítimas, não será diferente nesse caso. Nós estamos em sintonia direta com a Polícia Civil, estamos acompanhando e vamos buscar a justiça. É muito prematuro fazer uma conjectura porque isso pode atrapalhar as investigações”, afirmou.

Maior probabilidade de homicídio

Antes do velório, o delegado Adriano Felix, titular da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd), afirmou à reportagem do Portal A Crítica que a probabilidade de o crime contra Armando ter sido um homicídio é maior de que a de latrocínio (roubo seguido de morte).

Sepultamento

O enterro do ex-deputado acontece neste sábado (5), a partir das 16h30, no cemitério São João Batista, localizado na Av. Boulevard Álvaro Maia, também na Zona Centro-Sul da capital.

Publicidade
Publicidade