Publicidade
Manaus
FALTA DE SEGURANÇA

Frequentadores de cemitério na Zona Oeste são alvos de assaltos em Manaus

Conforme a PMAM, na semana passada dois infratores foram detidos suspeitos de realizarem assaltos e furtos a frequendadores do Cemitério Nossa Senhora Aparecida no Tarumã 19/05/2017 às 15:45 - Atualizado em 19/05/2017 às 19:03
Show nossa senhora da aparecida
A Semulsp informou que “a criminalidade nos cemitérios não difere daquela existente em todo o Brasil” (Foto: Arquivo AC)
Amanda Guimarães Manaus (AM)

A falta de segurança no Cemitério Nossa Senhora Aparecida, localizado no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus, preocupa as pessoas que querem visitar os entes queridos enterrados no local. Conforme a Polícia Militar do Estado do Amazonas (PMAM), na semana passada dois infratores foram detidos suspeitos de realizarem assaltos e furtos a frequentadores do cemitério.

A comerciante Maria Luiza Pessoa, 49, conta que no dia 10 de maio foi ao local acender velhas para o pai e esposo, mas voltou para casa sem o carro. Quando ela estava se aproximando do veículo quatro infratores anunciaram o assalto.

“Tinha acabado de ascender velhas para o meu pai e esposo. Quando estava voltando para o carro, percebi que quatro adolescentes estavam debaixo de uma mangueira olhando para mim. Nesse mesmo momento meu neto de 12 anos falou que eles iriam nos assaltar. Depois se aproximaram e um deles mostrou a peixeira, pedindo o carro”, lembrou Maria.

Além do carro, os criminosos levaram durante o assalto objetos pessoais. Um Boletim de Ocorrência (B.O) foi registrado na Delegacia Especializada em Roubos e Furtos de Veículos (DERFV).

“O meu neto e um amigo estava comigo no momento do assalto. Registramos o caso na DERFV e o carro foi encontrado próximo a Delegacia de Especializada em Atos Infracionais. Mas essa situação é muito ruim. Não sou a primeira que sou assaltada no local. Já ouvi relatos de outras pessoas”, disse a Maria.

Segundo a comerciante, os criminosos conseguem realizar assaltos no cemitério por meio de um muro destruído. “Entrei em contato com a administração do cemitério, mas eles falaram que só a Prefeitura podia reformar um muro que facilita o acesso dos bandidos, porque eles conseguem pular normalmente”, completou a mulher.

Semulsp responde

Procurada pela reportagem, a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) informou que “a criminalidade nos cemitérios não difere daquela existente em todo o Brasil”.

Questionada sobre a quantidade de casos de assalto no local, a Semulsp apenas destacou que a secretaria “registra eventuais casos que chegam" ao conhecimento da imprensa.

O órgão ressaltou que o muro, citado pela vítima, está sendo reconstruído no local e que conta com o apoio da Polícia Militar para garantir a segurança dos frequentadores.

Por meio de nota, a assessoria de comunicação da PM informou que o Cemitério Nossa Senhora Aparecida está sob a jurisdição da 19ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) e que mantém suas equipes em atividades de policiamento a pé e motorizado em toda a área do bairro.

A reportagem também procurou a assessoria de comunicação da Polícia Civil, para questionar a quantidade de registros já feitos sobre ocorrências no local, e aguarda posicionamento.

Publicidade
Publicidade