Publicidade
Manaus
APÓS DOIS ANOS

Parque Rio Negro está abandonado, dizem moradores do São Raimundo

Inaugurado em maio de 2015 como uma nova opção de lazer a moradores da Zona Oeste, espaço está esquecido 03/05/2017 às 05:00 - Atualizado em 03/05/2017 às 12:46
Show matagal0888
Frequentadores temem que o parque seja abandonado como outras praças da cidade. Foto: Euzivaldo Queiroz
Álik Menezes Manaus

Frequentadores do Parque Rio Negro, localizado no bairro São Raimundo, denunciam que o espaço público, considerado como um dos mais novos cartões postais da cidade, está abandonado. A falta de serviços de jardinagem e manutenção é alvo das reclamações. 

Segundo moradores do entorno, há mais de quatro meses não é realizado serviço de jardinagem no local. “É realmente muito triste ver que o parque começa a ser abandonado pelo poder público. São pelo menos quatro meses que não limpam aqui”, disse o estudante David Andrade Pereira, 17.

O agricultor Otávio Bibiano da Silva, 64, também criticou a falta de manutenção do parque  e teme que a área pública, que reúne muitas famílias todos os dias, seja esquecida como muitos espaços públicos. “O parque é ponto de encontro de muitas famílias, fazem caminhadas, se reúnem para bater papo, é inadmissível que isso fique assim. Olha esse matagal, isso até afasta as pessoas daqui. Será que ficará abandonado como os outros?”, disse.

Djames Roque Pereira, 45, contou que pratica atividades físicas diariamente no local, mas começa a cogitar a possibilidade de parar de frequentar o parque por medo de ser alvo de assaltantes, que podem se esconder no matagal. “É um local que é muito frequentado, que merecia ser cuidado tanto pela população quanto pelo governo, mas você observa que está sendo negligenciado, abandonado mesmo. Eu tenho medo de vir aqui e ser assaltado, o mato está alto, os marginais podem se esconder lá”, disse.

Outra reclamação dos moradores e frequentadores é com relação aos bueiros entupidos e o forte odor. “Não tem condições. Esse parque é novo e já está desse jeito”, disse a dona de casa Maria Clara Alves, 44.

O outro lado
A Secretaria de Estado de Cultura (SEC) informou que o parque recebe, a cada quatro meses, os serviços de limpeza de bueiros, quando também são limpos aproximadamente 33 bueiros domésticos que deságuam no esgoto do parque. A SEC diz que o mau cheiro e o acúmulo de lixo é reflexo de problema estrutural da obra, que foi executada pela construtora Andrade Gutierrez, durante as obras do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim), que não desvinculou o esgoto das casas do entorno. 

“Com isso, há o constante entupimento do bueiro do Parque, com todo o tipo de lixo doméstico”. A pasta informou ainda que o último serviço de limpeza dos bueiros foi realizado no dia 25 de abril deste ano e ressalta que não foi responsável por executar e fiscalizar a obra do parque.

Licitação para jardinagem
Quanto ao mato presente no Parque Rio Negro, a Secretaria de Cultura do Estado do Amazonas  informou que ainda está em fase de licitação a contratação dos serviços de jardinagem Por meio de nota, a   secretaria   informou ainda que apenas recebeu a incumbência de administrar a área de lazer, assim como administra também outros parques e praças da cidade, fornecendo serviços de jardinagem, limpeza e manutenção da infraestrutura, além de segurança.

 

Publicidade
Publicidade