Publicidade
Manaus
MEDIDA

‘FTI não vai resolver o problema da Saúde, mas vai estancar a sangria’, diz Wilson Lima

Governador do Amazonas informou que dos R$ 350 milhões disponíveis, R$ 280 milhões serão utilizados para o pagamento de fornecedores e empresas terceirizadas contratadas pela Susam 27/02/2019 às 15:11
Show wilson 8d68dc1f d208 4c2c a0b8 418b22944be4
Governador Wilson Lima durante coletiva de imprensa. Foto: Jair Araújo
Luiz G. Melo Manaus (AM)

A aprovação do uso de parte do Fundo de Fomento ao Turismo, Infraestrutura, Serviços e Interiorização do Desenvolvimento do Amazonas (FTI) para Saúde deve minimizar os problemas na área. Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (27), o governador Wilson Lima (PSC) explicou que dos R$ 350 milhões, R$ 280 milhões serão utilizados para o pagamento de fornecedores e empresas terceirizadas contratadas pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam) e R$ 70 milhões serão divididos com os 61 municípios do Estado.

“O FTI não vai resolver o problema da saúde no Estado do Amazonas, mas vai ajudar a estancar a sangria”, comentou o governador. “Não temos essa quantia em caixa agora. Teremos ao longo do ano, e esse é mais um esforço para que a saúde do Amazonas não vire um caos”, acrescentou o líder do poder executivo estadual.

Ainda sobre a FTI, a proposta original destinava 40% do total arrecadado do FTI neste ano para despesas com a saúde pública. Desse total, 15% seriam para gastos com saúde em 11 municípios de gestão plena e 85% para Susam. A ampliação de 15% para 20% do percentual destinado aos 61 municípios do montante remanejado do Fundo é resultado da apresentação de uma emenda coletiva, reforçou o presidente da Casa, Josué Neto (PSD).

O aumento no repasse para Saúde do interior é resultado da pressão dos prefeitos do interior, liderado pelo presidente da Associação Amazonense de Municípios do Amazonas (AAM) e o prefeito de Autazes, Andreson Cavalcante. “Fica a gratidão por esse avanço porque até pouco tempo não tínhamos nenhum investimento”, disse o prefeito.

No novo texto, o Executivo se comprometeu ainda em prestar contas à ALE-AM de como aplicará o recurso. Isso ocorrerá a cada dois meses, por meio da apresentação de um relatório analítico.

Vacinação

Ainda durante a coletiva de imprensa, o governador reforçou que haverá uma rigorosa revisão de contratos, bem como o abastecimento da Central de Medicamentos, abertura de mais leitos na rede pública e mais aluguel na rede privada a fim de atender a atual demanda de casos de H1N1 detectados no Estado.

Sobre o surto de Influenza A no Amazonas, o governador Wilson Lima disse que ainda hoje está indo a Brasília para se encontrar, amanhã, com o ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, para reforçar o pedido de que a campanha de vacinação contra a gripe seja realizada ainda em março, e não em abril como está previsto pelo Ministério da Saúde.

“O ministro já se mostrou sensível ao nosso pedido de liberar os lotes de vacina para o Estado conforme vão sendo fabricados. Aproveitarei para pedir que o período de vacinação tenha essa data fixa [começo do ano], já que é justamente nessa época que atravessamos o período de maior incidência de gripes devido ao período chuvoso. O surto de H1N1 é um drama a mais para a saúde do Amazonas”, disse.

Publicidade
Publicidade