Sexta-feira, 26 de Abril de 2019
publicidade
WhatsApp_Image_2017-09-02_at_10.13.47.jpeg
Quadrilha foi apresentada na manhã de hoje (Foto: Gilson Mello)
publicidade
publicidade

INVESTIGAÇÃO

Funcionária do Detran é presa suspeita de integrar quadrilha de roubo de motos

Ela foi presa com outras quatro pessoas na operação 'Delivery'; segundo delegado, ela fornecia CRLV em branco para 'legalizar' as motos


02/09/2017 às 10:57

Depois de dois meses de investigação, cinco pessoas foram presas suspeitas integrar uma quadrilha especializada em roubo e adulteração de motocicletas no estado do Amazonas e Pará, durante a operação ''Delivery'. Entre os envolvidos, segundo o titular da Delegacia Especializada em Roubos e Furtos de veículos, Pericles Nascimento, está uma funcionária do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran/Am).

Conforme Pericles, Fátima Mesquita Picanço dos Santos, 50, fornecia cédulas em branco de certificados de registro e licenciamento de veículos (CRLV) para os suspeitos transportarem e até comercializarem, motos que foram  roubadas em Manaus. 

"Ela vendia cada documentação por R$ 100 reais para o grupo. Em seguida, o chefe do bando transportava as motos privadas  em balsas para a cidade Santarém, no Pará", disse. 

A suspeita foi presa na tarde de sexta-feira (1º), no município de Manacapuru (a 68 quilômetros de Manaus), enquanto trabalhava. O diretor presidente do Detran, Leonel Feitoza disse que aproximadamente duas mil cédulas de CRLV foram furtadas do interior do estado, nos últimos seis meses. 

"Nós começamos a monitorar todos os lotes dessa documentação que saia do Detran para chegar no interior. Foi apontado furto do material em Rio preto da Eva, Presidente Figueiredo, alem de Manacapuru", explicou. 

publicidade

O chefe da quadrilha, conforme a DERFV, era José Romulo Ferreira da Silva, 26. O delegado da especializada explicou que o suspeito recebia as motos roubadas e realizava o serviço de adulteração de chassi. Em alguns serviços ele ia até a casa do 'cliente' para fazer o serviço, que custava de R$ 500 a mil reais. 

"Por isso que a operação se chama delivery. Eles chegou a lucrar mais de 100 mil reais em dois meses. Nós começamos a investigar depois que a DERFV recuperou, em Santarém, 71 motos roubadas de Manaus", disse o delegado, que explicou também que o suspeito estava em Santarém quando foi preso na última sexta-feira. 

Assim como Fátima e Jose, outros dois integrantes foram presos através de ordens judiciais expedidas no dia 31 de Agosto pelo juiz Alberto Albuquerque, da 1ª Vara criminal. David da Silva Rocha, 41 e o despachante Isaac Sahdo Neto, 64, foram presos durante a semana. Já Edson Santana Tavares, 28, foi preso em flagrante durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão na casa dos suspeitos. 

Os cinco suspeitos foram indiciados por associação criminosa. José responderá também por adulteração de sinal identificador de veículo automotor, falsificação de documento público e falsificação.

publicidade
publicidade
Detran e Seinfra irão sinalizar rodovias estaduais no Amazonas
Motoristas do Amazonas vão poder parcelar IPVA atrasado em até 12 vezes
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.