Publicidade
Manaus
FLAGRA

Funcionário do IML descarta macacão usado na remoção de corpo em igarapé de Manaus

Ação foi filmada e vídeo viralizou nas redes sociais. Caso será encaminhado a Corregedoria Geral do Sistema de Segurança Pública 18/02/2019 às 18:20 - Atualizado em 18/02/2019 às 19:13
Show whatsapp image 2019 02 18 at 18.17.08 f03db786 d1e4 4c8b a2ce 6db13d6bc3ec
Foto: Reprodução/Internet
Vitor Gavirati Manaus (AM)

O vídeo de um funcionário terceirizado do Instituto Médico Legal (IML) descartando o macacão que acabou de utilizar na remoção de um corpo no bairro Redenção, Zona Centro-Oeste de Manaus, viralizou nas redes sociais. O Departamento de Polícia Técnico-Científica do Amazonas (DPTC-AM) afirmou em nota, nesta segunda-feira (18), que vai tomar medidas administrativas quanto ao terceirizado flagrado.

Na filmagem, o servidor do IML, que atuava no caso de um homem encontrado morto dentro do quarto de uma vila na rua Gurupi, aparece caminhando pela caçada em direção ao igarapé. Em seguida, ele retira o macacão branco e o joga de cima de uma ponte. O caso ocorreu no último dia 10 de fevereiro.

O DPTC-AM também afirmou em nota que o caso será encaminhado a Corregedoria Geral do Sistema de Segurança Pública.

“O diretor do DPTC, Lin Hung Cha, ressalta que este comportamento não coaduna com o perfil profissional da polícia científica e nem com os princípios de cidadania que regem a vida moderna. Os funcionários e terceirizados que trabalham para a polícia científica recebem todo o treinamento necessário ao uso e descarte correto dos materiais que são utilizados na realização dos procedimentos”, finaliza o comunicado.

Também por meio de nota, o Sindicato dos Peritos Oficiais do Amazonas (Sinpoeam) se manifestou sobre o caso dizendo que o tipo de comportamento adotado pelo funcionário terceirizado do IML é “inaceitável”.

 “É importante ressaltar que os Peritos sabem a importância do respeito ao meio ambiente, e conhecem todos os procedimentos necessários em local de crime, portanto, esse tipo de comportamento seria inaceitável para a nossa profissão”, diz o Sindicato.

Publicidade
Publicidade