Domingo, 28 de Fevereiro de 2021
SEM VACINAS

Funcionários da Fundação de Medicina Tropical ficam de fora da vacinação contra Covid-19

Mesmo sendo um dos principais pontos de análise e estudo do novo coronavírus, o local ficou sem vacinação. Policlínica Cardoso Fontes e Instituto de Saúde da Criança do AM também passaram em branco



3d47d876-c8f8-4bbd-bf3d-dc6f548d3550_FBD0F416-3D94-402A-AF19-D91D72C25E66.jpg
20/01/2021 às 17:45

Principal ponto de estudos e análises do novo coronavírus desde o início da pandemia no Amazonas, a Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT/HVD) ficou de fora da lista de locais que estão recebendo doses da vacina Coronavac, destinadas aos funcionários da saúde em Manaus. Conforme apurado por A CRÍTICA, funcionários da Policlínica Cardoso Fontes e do Instituto de Saúde da Criança do Amazonas também não foram vacinados.

A primeira leva de vacinas da Coronavac para Manaus, 40.072 doses, é destinada em sua grande maioria para os profissionais de saúde da capital, e uma pequena parte para indígenas aldeados de Manaus, conforme anunciado pelo prefeito David Almeida, na segunda-feira (18). Funcionários dos locais que ficaram sem a vacinação ficaram revoltados e questionaram o porque da exclusão.



"Ontem (19), tinham dito pra gente que a vacinação ia ser feita lá hoje [Tropical], num horário alternativo pra pegar os plantonistas dos dois turnos. No entanto hoje, ninguém falou mais nada. O que é um pouco triste né, porque abrimos leitos de retaguarda pra Covid lá, tanto de enfermaria como UTI, estamos diariamente nos expondo a procedimentos que geram aerossóis como intubações e até agora não falaram mais nada da vacina”, disse.

“Pediram pra gente separar nosso cartão do sus e carteira de vacina que iam nos vacinar, porém também não falaram mais nada. Estamos esperando uma posição da secretaria, que ainda não tivemos. Acho que não teremos vacina", lamentou uma das servidoras da Fundação de Medicina Tropical. Ela também relatou que os profissionais da unidade hospitalar sofreram com a carência de oxigênio nos últimos dias.

"Eu já chorei um bocado hoje. A gente tem duas UTIS, sendo uma exclusiva para Covid, uma enfermaria Covid com 20 leitos e o pronto atendimento. Porque além da equipe da assistência tem os maqueiros, serviços gerais, técnicos da radiologia. Todo mundo entra em contato com esses pacientes. A gente passou dias bem difíceis com o desabastecimento de oxigênio e ar comprimido precisando ventilar os pacientes com ambu, que chega a ser bem triste não chegar vacina pra lá", declarou.


Foto: Divulgação.

Luta diária

Uma outra colaboradora do Tropical, que acabou testando positivo para Covid-19, relatou a luta diária que funcionários do local têm travado no tratamento aos pacientes.

"O hospital não recebeu as vacinas, nem na lista está. Nós atendemos pacientes com Covid-19 em leitos implantados pela própria secretaria de saúde. Seguimos os protocolos da OMS e Sociedade Brasileira de Infectologia. São internados pacientes classificados como grave, que necessitam de tratamento hospitalar com suporte de oxigênio e, se durante a avaliação for identificada complicações como infecções bacterianas, por exemplo pneumonia, inicia-se o tratamento. O paciente é avaliado se precisa de cuidados intensivos, vai internado na UTI com leitos também exclusivos para Covid-19. Estamos na luta", contou a servidora.

Um funcionário da Policlínica Cardoso Fontes - unidade referência para o tratamento de paciente com tuberculose - relatou também que os servidores haviam sido notificados que receberiam a vacinação nesta quarta (20), porém as doses não foram encaminhadas para a unidade.

"Haviam falado para gente que receberíamos hoje a vacinação. Todos os funcionários iriam receber. Só que quando cheguei lá, falaram que não seria hoje, mas também não sabem quando vai ser. Nós também já atendemos pacientes com tuberculose que tinham testado positivo para Covid-19", descreveu o servidor.


Foto: Reprodução

 

Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que só faz a aplicação das doses da vacina nos servidores da rede estadual de saúde. A definição de quais unidades do estado receberão a imunização ficaria à cargo da Secretaria de Estado da Saúde (SES-AM).

A reportagem de A CRÍTICA questionou a SES-AM sobre o motivo das unidades hospitalares não terem participado da vacinação. Assim que uma resposta for recebida, o posicionamento oficial da secretaria será adicionado neste material.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.