Publicidade
Manaus
SAÚDE

Criança de 10 anos tem quimioterapia interrompida por ausência de medicamento

Hemoam, unidade de referência em doenças do sangue, não dispõe atualmente do medicamento Bleomicina, prescrito para todos os oito ciclos de tratamento do linfoma de Hodgkin 05/10/2017 às 09:09 - Atualizado em 05/10/2017 às 10:01
Show quimio
Asaf segura documento de prescrição médica para sua quimioterapia: mas falta o medicamento Bleomicina (Foto: Evandro Seixas)
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Diagnosticado com linfoma de Hodgkin, forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, Asaf Ribeiro Sicsú, de 10 anos, está tendo o tratamento de saúde prejudicado pela suspensão das sessões de quimioterapia que precisa fazer na Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam). E ele não é o único, outras crianças estão na mesma situação. O motivo é que a instituição, unidade de referência em doenças do sangue, não dispõe atualmente do medicamento Bleomicina, prescrito para todos os oito ciclos de tratamento do linfoma de Hodgkin.

É o que denuncia a mãe do garoto, a agente de segurança Stefany Ribeiro Ferreira Gouveia. “A ausência da Bleomicina nos deixa em uma situação gravíssima e coloca em risco a vida do meu filho pois, se não tratar, a doença pode virar uma leucemia. Como descobrimos no começo, temos todo um cuidado com a alimentação e o peso está bem controlado, mas se não tomar o medicamento, o linfoma pode evoluir e virar uma coisa pior. Por enquanto está mais fácil de tratar porque está no começo”, comentou ela.

Asaf faz sessão de quimioterapia de 15 em 15 dias e já deveria ter realizado o 7º dos 8 ciclos previstos no tratamento se não fosse a ausência do medicamento. “Nos informaram, lá mesmo na Hemoam, que a instituição não pode fazer licitação para a compra do medicamento porque estava proibida de licitar pelo Governo do Estado e questões burocráticas e que não há previsão para a compra”, completa Stefany.

A mãe de Asaf estuda entrar com um mandado de segurança para que o Estado disponibilize o medicamento para a quimioterapia. “Estou verificando essa possibilidade. O que não pode é ele ficar sem a quimio”, diz.

Por meio de sua assessoria de comunicação, o diretor-presidente do Hemoam, Nelson Fraiji, informou que “o tratamento desta patologia consiste em um conjunto de quatro tipos de medicamentos  quimioterápicos, e têm a duração de 6 meses”, e que “a falta da Bleomicina não afetará o resultado do tratamento, pois em um, dois ou três dias teremos o medicamento no Hemoam”.

Frase

A ausência da Bleomicina coloca em risco a vida do meu filho pois, se não tratar, a doença pode virar uma leucemia” 

Stefany Gouveia, agente de segurança

Surgimento

A Doença de Hodgkin surge quando um linfócito (mais frequentemente do tipo B) se transforma em uma célula maligna, capaz de crescer descontroladamente e disseminar-se. O local mais comum de envolvimento é o tórax, região também denominada mediastino.

Publicidade
Publicidade