Publicidade
Manaus
SAÚDE PÚBLICA

Governador decreta Estado de Emergência em razão das mortes por H1N1 no Amazonas

Wilson Lima determinou a medida durante reunião com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em Brasília. Doze mortes por H1N1 já foram registradas no Estado 27/02/2019 às 21:43 - Atualizado em 27/02/2019 às 23:18
Show wilson lima a2b791cd 4a5c 478c ae54 44276bf1b374
Foto: Divulgação
Rafael Seixas Manaus (AM)

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), decretou Estado de Emergência na Saúde em decorrência do avanço de casos de morte ligados à gripe H1N1 no Estado.  A medida foi anunciada na noite desta quarta-feira (27) durante reunião com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em Brasília. A bancada do Estado do Amazonas também participou do encontro.

Por meio de sua conta no Instagram, momentos antes da reunião, Wilson Lima explicou que o encontro com Mandetta foi adiantado para hoje. “Agora pela noite estamos decretando Estado de Emergência na Saúde em razão do avanço dessa gripe que muito tem nos preocupado. E esse alinhamento foi feito com a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas e a Nacional. Vamos nos encontrar com o ministro para alinhar ações para combater o avanço da gripe”, disse o líder do poder executivo estadual.

 

 

Ainda durante a reunião, Wilson confirmou ao ministro da Saúde 12 mortes no Amazonas causadas pelo vírus H1N1. Para o deputado federal Alberto Neto (PSL/AM), que participou da reunião com o ministro Mandetta, a decisão do governo estadual de declarar Estado de Emergência na Saúde do Amazonas é acertada.

“O governador  tomou a decisão certa, visto que a situação é gravíssima. Trata-se de um vírus muito letal”, disse o parlamentar. Ainda de acordo com ele, foi discutido com o ministro que, inicialmente, o governo do Estado criará mecanismos para isolar pessoas contaminadas de outros pacientes. Também é necessário tomar medidas preventivas como manter as mãos higienizadas e evitar aglomerações.

“O ministro Mandetta orienta que, em caso de qualquer suspeita da gripe, as primeiras 48 horas são decisivas e podem fazer toda a diferença entre a vida e a morte. É preciso ir imediatamente a um hospital. Está disponível um medicamento, o Tamiflu, que pode reduzir bastante a carga viral logo no início da gripe”, detalhou Alberto Neto.

Poucos minutos após a reunião, a FVS-AM divulgou o 2° Boletim Epidemiológico da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Estado do Amazonas. Conforme ele, 195 casos de SRAG foram registrados no Amazonas. Desses 12 óbitos por H1N1, sendo 8 em Manaus, 2 em Manacapuru, 1 em Parintins e 1 Itacoatiara. Outros 2 óbitos foram confirmados por Vírus Sincicial Respiratório, ambos em Manaus.  

Publicidade
Publicidade