Publicidade
Manaus
POLICIAIS

‘Governador vai conversar com a tropa olho no olho’, anuncia associação dos PMs

Amazonino Mendes deve se encontrar com praças da Polícia Militar às 15h de hoje (15) na Associação de Cabos e Soldados da av. Torquato Tapajós 15/03/2018 às 13:56 - Atualizado em 15/03/2018 às 13:58
Show whatsapp image 2018 03 15 at 13.25.39
Líderes dos PMs se reuniram com governador (Foto: Gilson Mello)
acritica.com Manaus (AM)

As três principais lideranças dos policiais militares do Amazonas devem ter uma conversa “olho no olho” com o governador Amazonino Mendes na tarde desta quinta-feira (15), em Manaus, para discutir a paralisação da categoria e as propostas do Governo do Estado paras as exigências dos PMs, como a data base e a lei das promoções.

Desde ontem (14), os praças da PM faltam o trabalho como forma de protesto. Na manhã de hoje (15), os três líderes receberam convite para se encontrar pessoalmente com o governador. São eles Gerson Feitosa, da Associação de Policiais Militares do Amazonas (Apeam), Igo Silva, da Associação de Cabos e Soldados, e Francisco Pereira, da Associação dos Subtenentes e Sargentos.

Francisco Pereira confirmou à reportagem do Portal A Crítica que o governador Amazonino Mendes fez o convite para o encontro, que deve acontecer na sede da Associação de Cabos e Soldados, na avenida Torquato Tapajós, Zona Norte. O teor da conversa e acertos entre eles ainda não foi esclarecido. Segundo Pereira, tudo deve ser esclarecido no encontro às 15h.

“Nós tivemos com o governador, expusemos todas as situações da corporação e o governador vai às 15h para a Associação dos Cabos e Soldados, onde vai conversar com a tropa olho no olho, pessoalmente”, disse Francisco Pereira.

A principal reivindicação dos policiais é que sejam mantidas as conquistas da classe como a data base e a lei das promoções. “O teor da reunião vai ser divulgado na sede da associação, na Torquato Tapajós. Foi tocado o assunto da data base, a lei de carreira dos policiais, o adicional. Tudo. Nós expusemos para corrigir as injustiças”, esclareceu Pereira. 

Publicidade
Publicidade