Sexta-feira, 04 de Dezembro de 2020
SAÚDE

Governo do AM cancela transferência de enfermeiros que participaram de protesto

Ao menos 13 profissionais foram afastados de suas atividades após cobrarem salários atrasados e equipamentos de proteção individual



28-de-agosto_46DE2C9D-E619-4D52-9D10-EFB1A2284469.jpg Foto: Divulgação
30/04/2020 às 18:55

O Governo do Amazonas respondeu, por meio da deputada estadual e líder do governo Wilson Lima, Joana Darc (PL), na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) que a transferência de 13 enfermeiros que participaram de manifestação para cobrar pagamento de salários e melhores Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) nesta segunda-feira (27), foi cancelada.

A manifestação ocorreu na frente do Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto. Após o manifesto, enfermeiros foram retirados de suas funções e colocados à disposição da secretaria de estado de saúde pela direção do 28 de Agosto. 



Em Sessão Plenária Virtual desta quinta-feira (30), a deputada disse que conversou com médico urologista Ítalo Cortez que é o novo responsável pela Secretaria-Executiva Adjunta de Assistência Especializada da Capital e foi informada que não irá mais ocorrer qualquer mudança no posto de trabalho destes servidores.

“Hoje pela manhã o doutor Ítalo se reuniu com vários desses profissionais no auditório da Susam e determinou o desfazimento do ato ou de qualquer mudança de posto destes profissionais. Não somos à favor”, esclareceu.

CPI

Desde o início desta semana, o deputado estadual e secretário da Mesa Diretora, delegado Péricles (PSL) negocia junto aos deputados assinaturas para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a conduta do Governo do Estado do Amazonas frente aos esforços de combate ao novo coronavírus.

A proposta de CPI de Péricles pretende apurar principalmente fatos novos que se originaram durante a gestão do governador Wilson e que segundo ele, colaboraram para a piora da resposta do estado à pandemia. 

No entanto, cresce entre os parlamentares estaduais, a possibilidade de a CPI ter o seu escopo de trabalho ampliada para antes da atual pandemia. A proposta originária enfrenta forte resistência entre os deputados, que já sugeriram que o melhor momento para tal procedimento investigatório legislativo seria mais plausível após a pandemia da Covid-19.

O deputado estadual Belarmino Lins (Progressistas) defende que a instauração de uma CPI durante a pandemia aumentaria a crise e propôs que os legisladores “se desarmassem” e se “unissem”. 

Para a deputada Alessandra Campêlo (MDB), o momento não é o ideal para a CPI e se compromete a assinar a lista de assinatura, caso o deputado Péricles concorde em fazê-la após a pandemia.

Já a líder do governo disse que vai analisar a redação da matéria para só depois decidir se vai assinar ou não. Joana afirmou que se comprometeria a assinar o documento, se Péricles ampliasse para os anos de 2016 e 2017 o objeto da CPI.

O Governo do Amazonas já disponibilizou uma aba específica no portal da transparência para gastos com os esforços para lidar com a pandemia do novo coronavírus. Prestação de contas de gastos e apresentação destas despesas em sítio específico é uma exigência da lei n° 13.979 de 6 fevereiro, que é a lei que estabelece as principais as medidas para enfrentamento da Covid-19.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.