Domingo, 19 de Janeiro de 2020
Manaus

Governo do Amazonas vai ampliar programa de agricultura indígena para mais 23 municípios

A meta é que o programa da Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror) alcance 3.439 famílias de indígenas, totalizando 34 municípios



1.jpg Indígenas de oito municípios foram contemplados com botes de alumínio, motores de popa e motos para auxiliar as famílias no cultivo da terra
18/03/2013 às 17:29

O Governo do Amazonas vai ampliar para mais 23 municípios, a partir deste ano, as ações do programa “Agricultura Indígena”, que oferece apoio com a doação de implementos, sementes, assistência técnica e crédito financeiro para a população de índios. “É uma orientação do governador Omar Aziz, que lançou o Amazonas Rural com uma linha específica para os nossos irmãos indígenas. Vamos ajudá-los a produzir, gerar emprego e renda e contribuir para a economia do Estado”, afirmou o governador em exercício, José Melo.

Com a expansão, a meta é que o programa da Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror) alcance 3.439 famílias de indígenas, totalizando 34 municípios. Nesta segunda-feira (18), José Melo e o secretário estadual de Produção Rural, Eron Bezerra, entregaram implementos agrícolas para indígenas das etnias Tariano, Baré, B aniwa, Munduruku, Mura, Sataré-Mawé, Tikuna e Marubo dos municípios de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro, Borba, Nova Olinda do Norte e Maués. A cerimônia, no Parque de Exposições Eurípedes Ferreira Lins (Expoagro), na zona norte, contou com a presença da senadora Vanessa Grazziotin.



Ao todo, indígenas de oito municípios foram contemplados com botes de alumínio, motores de popa e motos para auxiliar as famílias no cultivo da terra. “O Amazonas tem a maior concentração de indígenas do Brasil. São mais de 60 etnias espalhadas no nosso Estado. A ideia é dar oportunidades não só para os irmãos indígenas, mas à população do interior, para que tenha como produzir, trabalhar e sustentar a família no lugar onde moram, sem precisar vir para Manaus”, frisou José Melo.

Indígena e técnica agrícola do programa “Agricultura indígena” em Benjamin Constant (a 1.116 quilômetros de Manaus), Justina Cândido, da etnia Tikuna, é um dos exemplos do sucesso da iniciativa do Governo do Amazonas. Na última semana, ela recebeu um prêmio, no valor de R$ 20 mil, das mãos da presidente Dilma Rousseff por conta da relevância social e econômica do projeto que apoia no município a produção de farinha e artesanato com sementes naturais, como o açaí. “É um programa muito importante porque aumenta a geração de renda das famílias indígenas dentro dessas comunidades. Ganhar o prêmio foi um reconhecimento de que a gente está no caminho certo e que devemos continuar”, disse Justina.

Assistência técnica

Segundo o secretário Eron Bezerra, este ano serão 16 técnicos agrícolas fazendo o trabalho de orientação das famílias no processo de cultivo e comercialização. Outro diferencial é que o acompanhamento é feito respeitando as particularidades de cada etnia. “Incluir pessoas na atividade produtiva, aumentar a renda e oferecer oportunidades de trabalho. Essa é essencialmente a filosofia do projeto. Respeitamos a etnia. Em boa parte, o sucesso desse projeto, que tinha a meta de atender para cada técnico 100 famílias, decorre dessa sensibilidade de respeitar essas particularidades”, disse o secretário.


*Com informações de assessoria (Sepror)

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.