Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
PLANOS

Governo quer transferir presos do PCC para a desativada cadeia Raimundo Vidal Pessoa

Cadeia do Centro de Manaus foi esvaziada em outubro do ano passado e é vista como alternativa para cessar guerra entre facções criminosas



share_big_show_IMG0017411769_CEEFFE24-91DD-4D1D-B1F4-69034C8D7CB8.JPG Cadeia Raimundo Vidal Pessoa seria entregue à SEC, mas pode "reassumir" suas funções originais (Foto: Márcio Silva)
02/01/2017 às 15:27

O secretário de Estado de Administração Penitenciária, Pedro Florêncio, afirmou que o Governo estuda viabilizar a transferência dos presos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC) para a Cadeia Raimundo Vidal Pessoa,  que está desativada desde outubro do ano passado.

" Ainda não sei quando isso vai acontecer, mas estamos trabalhando nisso”, declarou o secretário à reportagem. A ideia é isolar os membros do PCC para evitar novos confrontos com os integrantes da Família do Norte (FDN), principal facção criminosa do Estado e que, nas palavras do secretário de Segurança Pública, Sérgio Fontes, "massacrou"  o PCC no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).

De acordo com Pedro Florêncio, a intenção é transferir os presos do PCC que estão no Centro de Detenção Provisória (CDP), Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) e Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) para a histórica cadeia do Centro de Manaus, que seria cedida à Secretaria de Estado da Cultura.

O princípio de rebelião iniciado hoje no CDP foi justamente atribuído a presos do PCC que queriam se proteger da ação dos membros da FDN.

O secretário não detalhou a quantidade de presos ligados ao PCC que estão no sistema prisional do Estado, mas afirmou, em áudios que circulam nas redes sociais, que já teve a autorização do governador José Melo para prosseguir com o plano.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.