Domingo, 26 de Maio de 2019
PERDA

Grande nome do teatro amazonense, Luiz Vitalli morre aos 60 anos

Figura importante no teatro e cinema local, Luiz Vitalli faleceu na madrugada desta quinta-feira (9) após uma parada cardíaca. Artistas e autoridades lamentaram a perda



luiz_EA0F947A-05DF-4421-950D-68A73E527670.jpg
Foto: Divulgação
09/05/2019 às 10:09

Faleceu na madrugada desta quinta-feira (9) o ator, diretor, professor e produtor cultural Luiz Vitalli, 60. Figura importante para o teatro e cinema do Amazonas, o artista morreu após sofrer uma parada cardíaca no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto. Artistas e autoridades lamentaram a perda.

Vitalli nasceu em São Paulo e veio morar no Amazonas nos anos 80. O ator estava internado desde segunda-feira (6) e havia passado por duas cirurgias contra uma trombose em uma das pernas. Durante a madrugada, Vitalli teve uma parada cardíaca. Os médicos tentaram uma reanimação, mas infelizmente Vitalli não reagiu.

O secretário de Estado de Cultura, Marcos Apolo Muniz, lamentou a perda de um dos maiores nomes do cenário amazonense. “O Luiz era meu amigo há décadas, ainda quando jovem fazendo teatro. Era uma ligação de amizade e carinho. Para mim é uma perda muito grande para a cultura do nosso Estado e, acima de tudo, para o País”, disse ele.

Apolo destaca o valor das obras criadas por Vitalli. “Todos os seus projetos tinham muita consistência. Ele buscava retratar a realidade do nosso Estado. Era uma forma autêntica de defender e fazer cultura. Estou realmente muito sensibilizado”, declarou.

Segundo o amigo e diretor Arnaldo Barreto, Vitalli havia retomado recentemente vários projetos do cinema. Entre os mais marcantes, ele destaca o longa “A Noiva de Itamaracá” e o curta-metragem “Vila Conde”. A atuação brilhante no curta lhe rendeu o prêmio de Melhor Ator no Festival “Olhar do Norte”.

“Foi uma das grandes referências na atuação e como pessoa. Tive um grande privilégio de trabalhar e dirigi-lo. Ele estava num momento de muito vigor”.

A atriz amazonense Keylla Gomes foi uma das “pupilas” de Vitalli no cinema. Ela teve a chance de atuar com o artista em “A Noiva de Itamaracá”. “Sou uma das artistas que ele formou nessa cidade. Tive contato com ele desde o grupo Geração Floresta. Ele formou artistas como Leonel Worton, Elizeu Melo e Francy Júnior. O trabalho dele tinha um propósito social. Era um teatro crítico e amazônico”.

O velório do artista será realizado no Palácio Rio Negro, Centro de Manaus. O horário e o local de sepultamento ainda não foram definidos.

News neto bd12a5ae eda4 4207 9d84 b31319daf9e8
Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.