Publicidade
Manaus
Manaus

Gratidão em ‘círculo vicioso’ transforma alunos carentes

Ex-alunos da Fundação Nokia dedicam tempo livre para ensinar; meta é aprovar 40% dos atendidos em instituições concorridas 07/07/2013 às 14:59
Show 1
Professor voluntário no projeto desde 2011, Jeferson Lopes se diz contente ao ensinar aos alunos o que aprendeu na escola
Jéssica Vasconcelos Manaus (AM)

Um grupo de 20 professores voluntários dedica o tempo livre para ajudar aproximadamente 150 adolescentes de 12 a 14 anos a se preparar para ingressar em escolas de referência como Fundação Nokia, Instituto Federal do Amazonas e Colégio Militar.

Em três anos de atuação o projeto Pré-Nokianos, como é chamado, já atendeu diversas crianças e adolescentes com aulas de Língua Portuguesa e Matemática, por exemplo.

A ideia do projeto que iniciou em 2011 com quatro voluntários, todos ex alunos da Fundação Nokia, era de utilizar o tempo livre para ajudar a preparar alunos de escolas públicas que não têm condições de pagar um curso preparatório.

Segundo o gestor da área de responsabilidade social da Fundação Nokia, Pericles Balderrama, o objetivo do projeto é garantir que todos os alunos tenham oportunidades iguais de estudar em boas escolas.

“Iniciamos o projeto pensando nos milhares de jovens de Manaus que sonham cursar o Ensino Médio em uma escola de referência, mas que para ingressar precisam ser aprovados em exames de seleção concorridos. Famílias com condições financeiras preparam seus filhos em cursos particulares. Nós iniciamos o projeto pensando em quem não podia pagar por isso”, explica Péricles Balderrama.

Transformação

Para Rose Reis de Oliveira, 34, mãe dos adolescentes Marcos Vinicius e João Victor, que participaram do projeto durante dois anos e foram aprovados para a Fundação Nokia e Ifam, a importância do projeto é imensa, pois assim como ela, muitos pais não têm condições de pagar um curso preparatório. “Os meninos sempre estudaram em escola pública, mas sempre foram esforçados e tinham o sonho de passar em uma escola boa que os preparasse para o futuro, então, o projeto veio para colaborar com a realização desse sonho”, acrescentou Rose.

De acordo com Balderrama, as diferenças de comportamento dos alunos que começam a assistir as aulas é muito grande: eles adquirem disciplina e é possível perceber que o conhecimento realmente transforma.

Gratidão

O voluntário Jeferson Lopes que atua desde 2011 como professor no projeto conta que como voluntário é possível devolver para a sociedade um pouco do que recebeu com a educação gratuita de qualidade. “Me alegra muito perceber como os alunos do projeto transformam suas visões de mundo por meio da educação”, diz Jeferson Lopes.

Atualmente o projeto atende 150 alunos, sendo 110 que ficarão até 2014 e 40 que realizarão o processo seletivo este ano.

Publicidade
Publicidade