Publicidade
Manaus
TRANSPORTE COLETIVO

Greve dos Rodoviários prevista para sexta-feira (7) é suspensa, diz sindicalista

Presidente do Sindicato dos Rodoviários informou que a decisão foi acertada em respeito à população. Uma nova negociação entre categoria e empresários ocorre na próxima semana 06/12/2018 às 20:06 - Atualizado em 06/12/2018 às 20:49
Show transporte b6d2592f aa09 4383 a420 bc4875b94172
Sindicalista Givancir Oliveira após reunião com representantes das empresas de ônibus. Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

A greve anunciada por motoristas e cobradores filiados ao Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário e Urbano Coletivo de Manaus e no Amazonas (STTRM) não ocorrerá nesta sexta-feira (7). A suspensão foi divulgada pelo presidente da categoria, Givancir Oliveira, após deixar a sala de reunião com representantes do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas (Sinetram) na sede do Ministério Público do Trabalho (MPT), na Zona Centro-Sul de Manaus.

Uma nova data de negociação foi marcada para a próxima quinta-feira (13) na sede do MPT após a categoria não chegar a um acordo com o Sinetram. O STTRM se comprometeu junto ao MPT em não paralisar os serviços pelo menos até a próxima tentativa de negociação.

“A greve está suspensa para uma nova sentada para negociarmos os pontos que não concordamos da convenção coletiva, como o pagamento dos feriados deve ser dobrado, o atraso no pagamento do plano de saúde dos dependentes e o constante atrasado dos salários de funcionários. Também precisamos ter uma data certa para receber o 13°. Estamos suspendendo a greve em respeito à população”, garantiu Givancir.

“Na próxima quinta-feira (13) vamos ter uma nova negociação aqui no Ministério Público porque ainda não resolvemos nada, mas contamos com o apoio da Prefeitura de Manaus para que o impasse seja resolvido”, acrescentou.

O procurador-geral do MPT, Jorsinei do Nascimento, informou que pouco antes da audiência finalizar sem acordo, o presidente do sindicato dos Rodoviários pediu para remarcar a reunião. “O presidente foi quem solicitou a transferência das negociações sob a promessa de haver participação da Prefeitura na situação”, explicou.

Givancir Oliveira confirmou que houve uma sinalização da Prefeitura de Manaus, que até agora não havia se envolvido nas negociações, mas não especificou qual será a participação e nem quem estará diretamente envolvido. “A greve que seria amanhã está cancelada e nós não vamos fazer nada até a próxima negociação”, garantiu.

O representante do Sinetram, Fernando Borges, disse que os motivos pelos quais a categoria anunciou a greve “não são verdades”. “As empresas têm até o dia 20 de dezembro para pagar décimo terceiro”, declarou. Além disso, segundo ele, o plano de saúde, outra pauta dos Rodoviários, está operando normalmente. “Não existe motivos para uma paralisação que vai penalizar a população”, finalizou Borges.

Determinação do TRT

Essa foi a segunda reunião entre representantes do sindicato e dos empresários nesta semana. Horas antes, ainda durante a reunião, a presidente do Tribunal Regional do Trabalho (11ª região), desembargadora Eleonora de Souza Saunier, determinou que, caso a greve anunciada pelo STTRM ocorresse, 70% da frota dos ônibus deveriam estar operando para que não gerasse problemas à população por se tratar de um serviço essencial. O não comprimento da determinação geraria multa de R$ 50 mil (por hora de paralisação).

Motoristas e cobradores filiados ao STTRM anunciaram na segunda-feira (3) a greve geral por tempo indeterminado. “Os motivos que levaram os trabalhadores a aprovarem a decisão de greve geral foram as constantes suspensões do plano de saúde, causando transtornos tanto para os funcionários, bem como, para os seus dependentes que estão tendo os seus descontos nos contra cheques normalmente. Além, do não pagamento de horas extras, conforme acordado junto ao MTP”, diz trecho do comunicado do STTRM divulgado no início desta semana.

Publicidade
Publicidade