Publicidade
Manaus
OFICIAL

Greve na educação: sindicato acompanha movimento das ruas e define paralisação

Assembleia-geral realizada pelo Sinteam apenas referendou decisão que já havia sido tomada pelos professores, que paralisaram atividades desde segunda 22/03/2018 às 16:13 - Atualizado em 22/03/2018 às 16:21
Danilo Alves Manaus

A Assembleia Geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam) acompanhou o movimento das ruas e decidiu pela oficialização da greve dos servidores da Secretaria de Estado da Educação (Seduc). Na manhã de hoje, milhares de professores participaram de um ato dando início à greve, antes mesmo do evento do Sinteam. 

Os professores, pedagogos e  técnicos administrativos presentes na assembleia, realizada no Atlético Rio Negro Clube, na tarde desta quinta-feira, decidiram rejeitar a proposta do Governo do Estado de um reajuste salarial de 4,57%, referente à data-base de 2017. Os servidores estão há quatro anos com os salários congelados e cobram um reajuste de 35% para recuperar as perdas salariais dos últimos anos.

A oficialização da greve pelo Sinteam, que é a entidade com prerrogativa legal de negociar em nome da categoria com o Governo do Estado, acontece uma semana depois que professores da rede pública, convocados pelo movimento Asprom Sindical - oposição ao Sinteam -, já haviam deliberado uma greve geral.

A votação foi definida pouco antes das 16h e foi por ampla maioria. "Quando se trata de campanha salarial, a categoria é unificada, por isso decidimos abrir a votação para todos os trabalhadores, sindicalizados ou não", afirmou o presidente do Sinteam, Marcus Libório. Ele chegou a ser vaiado por parte dos presentes quando pegou o microfone.

SAIBA MAIS: Lembre o passo a passo da movimentação que levou professores à greve

O professor Gabriel Martins, de 32 anos, que leciona em uma escola da zona Leste, disse que houve uma tentativa de desmobilizar a greve. Segundo ele, gestores e outros trabalhadores que ocupam cargos comissionados foram à assembleia para votar, mas não conseguiram superar a vontade da maioria. A greve, então, foi oficializada.

Segundo Libório, agora o Sinteam vai fazer o comunicado legal ao Governo do Estado indicando que a greve começa em 72 horas - o mesmo procedimento já havia sido feito pela Asprom Sindical na última segunda-feira.

Quando a mobilização dos professores  aconteceu independente do Sinteam, a Seduc informou que a paralisação era ilegal uma vez que as tratativas com os representas da categoria ainda persistiam. Agora, no entanto, tanto Sinteam quanto Asprom tomaram a mesma decisão e aguardam novas propostas do Governo do Estado. A reportagem procurou a assessoria de comunicação da Seduc e aguarda posicionamento.

Publicidade
Publicidade