Publicidade
Manaus
Manaus

Greve prevista para a próxima terça-feira (9) pode paralisar 70% do transporte coletivo

Em negociação há pelo menos 15 dias, e com a reinvidicação do aumento salarial já sendo cumprida, a categoria ainda cobra o ticket alimentação, vale-lanche e o fim do banco de horas 05/06/2015 às 17:01
Show 1
Foi votado por unanimidade a paralisação para a próxima terça-feira (9).
Kamyla Gomes Manaus (AM)

Aprovada por unanimidade entre funcionários das empresas de transporte coletivo locais, a possível greve da categoria na próxima terça-feira (9) pode paralisar aproximadamente 70% da frota de ônibus de Manaus, a partir das 4h. Apenas 30% poderão circular pela cidade, conforme prevê a lei.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus, Josildo Oliveira, contou que os trabalhadores estão "inconformados com a atual situação (de trabalho)", o que motivou a aprovarem a greve.

“As reivindicações foram feitas, mas não cumpridas por parte dos empresários. Uma das partes já está sendo cumprida, que é a questão do aumento, mas não estão pagando o ticket alimentação e o vale-lanche, e a maioria dos cartões dos trabalhadores estão sem nada. Queremos também o fim do banco de horas, o que prejudica muito” destacou Josildo.

Ainda conforme o presidente, a negociação para as reivindicações já estão ocorrendo há 15 dias, mas até o momento não foi dado nenhuma resposta. “Queremos que nos paguem como sempre pagaram, não tem nenhum escravo aqui e queremos apenas receber o que o sistema nos deve. Estamos trabalhando de forma correta e queremos respeito por parte dos empresários. Devem cerca de R$ 704 para cada trabalhador”, acrescentou o presidente do sindicato.

Josildo contou também que na tarde desta sexta-feira (5) houve mais uma reunião para pressionar os empresários, mas sem sucesso. “Estaremos aguardando novamente até meira-noite da próxima segunda-feira (8). Caso não nos dêem um retorno, a frota irá paralisar na terça como previsto na legislação trabalhalista em que temos direito”, finalizou Josildo.

Publicidade
Publicidade