Publicidade
Manaus
Manaus

Grupo de moradores de rua transformou espaço público em uma ‘casa a céu aberto’

No local, em frente ao Parque São Raimundo, denominado por eles de 'A Praça é Nossa, há cama, colchões, televisão, sofá, mesa, geladeira, uma espécie de fogão a lenha e até um banheiro improvisado, além de muito lixo espalhado pela margem do igarapé 07/09/2015 às 20:27
Show 1
Moradores de rua ocuparam o espaço público
Silane Souza Manaus (AM)

CONFIRA A GALERIA DE IMAGENS

Em paralelo ao novo cartão postal da cidade - o Parque Rio Negro - separados apenas pela ponte Senador Fábio Lucena, que liga o bairro de São Raimundo ao bairro de Aparecida, um grupo de pelo menos 19 moradores de rua vive em um “acampamento coletivo” em uma área pública desde janeiro.

No local, denominado por eles de “A Praça é Nossa”, há cama, colchões, televisão, sofá, mesa, geladeira, uma espécie de fogão a lenha e até um banheiro improvisado, além de muito lixo espalhado pela margem do igarapé.

O grupo, formado por homens e mulheres, passa os dias e as noites embaixo de uma grande mangueira e, quando chove, busca proteção debaixo da ponte. Eles alegam que não têm para onde ir. Afirmam também que “são trabalhadores e foram parar no local após a desapropriação dos moradores por conta do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim)”. Alguns são de Manaus, outros vieram do interior do Estado.

Geraldo da Silva Araújo, 44, um dos membros do grupo, disse que é morador de rua desde que se separou da ex-mulher. Mesmo dormindo na rua, ele conta que acorda 3h para trabalhar na feira da Panair. “Eu trabalho vendendo peixe. Ninguém aqui tem emprego com carteira assinada, mas todo mundo faz algum bico para conseguir seu dinheiro”.

Foto: Antônio Lima

Alguns têm casa, mas por conta de não se darem bem com familiares acabam morando nas ruas. É o caso de Charles Júnior, 61, mais conhecido como “Verdureiro”. Ele tem uma filha que mora no bairro Cidade de Deus, Zona Norte, mas  prefere viver na praça, onde todos gostam dele. Para ganhar dinheiro, trabalha fazendo papagaio, os quais vende por R$ 1,50, cada. “Meu sonho é juntar o dinheiro para comprar uma ‘rabetinha’ e trabalhar vendendo peixe no entorno da cidade”.

Valter de Souza Silva, 50, revela que mora na rua porque não tem para onde ir e nem dinheiro para pagar aluguel. No “A Praça é Nossa”, conta, ele encontrou uma sociedade de moradores de rua que ajudam uns aos outros. “Aqui não aceitamos vagabundos e nós não mexemos com ninguém. Graças a Deus comida não falta”, revelou.

Ele destaca que o grande problema é que não tem ninguém que os ajude a ter um lugar para morar. “Se tiver ajuda para sair daqui, ir para um canto melhor, nós aceitamos”, relatou. Enquanto isso não acontece, o grupo continua transformando a praça em uma “sociedade alternativa”.

A reportagem de A CRÍTICA entrou em contato com a Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh), e também com o Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim), mas não obteve resposta.

Publicidade
Publicidade