Publicidade
Manaus
DOAÇÃO

Hemoam convoca doadores para atingir mil bolsas de sangue para o Carnaval

As doações podem ser feitas no Hemoam da  Constantino Nery e na unidade da Maternidade Ana Braga, na Zona Leste. Podem doar pessoas com mais de 50 quilos, entre 16 a 69 anos 16/02/2017 às 09:18
Show sangue
Foto: Euzivaldo Queiroz
Alik Menezes Manaus (AM)

Com mais de 60 doações de sangue no “currículo”, o autônomo Francisco Alves de Lima, 52, está no patamar “Diamante” do quadro de doadores da Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) e ajuda a salvar vidas de milhares de pessoas que sofreram acidentes ou estão em tratamento médico. 

O autônomo começou a doar sangue no ano de 2002, quando o pai passou por um procedimento cirúrgico e precisou de doações de sangue. “Meu pai caiu e quebrou a bacia, foi um período bem difícil... A minha maior motivação foi o problema de saúde do meu pai, mas depois disso virou amor, faço por amor ao próximo”, contou.

Ao longo dos quinze anos em que Francisco é doador de carteirinha, apenas no primeiro ano foram três doações de sangue, mas a partir do segundo ano foram quatro doações por ano (o limite de doações que os homens podem fazer) e, se pudesse, doaria mais ainda, diz ele. “Não custa nada, não dói, são apenas cinco minutos do meu tempo. E ter a certeza que muitas pessoas serão salvas por causa da minha atitude gera uma sensação que ninguém pode explicar, nem eu mesmo”. 

No total, Francisco doou sangue 60 vezes e outras seis vezes (em um único ano) doou plaquetas e não pretende “se aposentar” das doações tão cedo. “Sinto que estou sendo útil, estou fazendo algo para o bem de outras pessoas que nem conheço. Dessa atividade não quero me aposentar tão cedo. Deveriam criar uma nova categoria além do Diamante”, disse, aos risos. 

Primeira doação

Com  a mesma motivação de Francisco, a doméstica Kelciane Duarte Maia Noronha, 30, também foi ao Hemoam ontem para doar sangue. “Minha prima está precisando, ela vai passar por uma cirurgia na próxima semana e eles pediram que a família doasse”, explicou. 

Para Kelciane, a doação de sangue é um ato de amor inexplicável e uma atitude que deve ser cada vez mais incentivada. “São muitas pessoas que podem ser salvas a partir de um ato de amor como esse”, disse. 

E é pensando em ajudar ainda mais pessoas que Kelciane já faz planos para novas doações. “Eu já queria doar faz muito tempo, mas sempre adiava. Mas agora que comecei tenho certeza que não vou parar mais. O limite máximo de doações por ano para mulheres são três e essa será minha meta todos os anos. Eu só precisava de um incentivo. Vou doar e vou incentivar outras pessoas a doarem também”, disse. 

Objetivo é atingir mil doações

Com estoque de sangue do Hemocentro em nível “crítico” desde o fim do ano passado, a Fundação Hemoam tem a meta de atingir o estoque de 1 mil bolsas de sangue para as festas de Carnaval,  informou a gerente de Captação do Hemoam, Maria Zeila Frota, que destacou a campanha para garantir o estoque durante o Carnaval, quando a demanda aumenta.  “Final e início de ano é um período bem difícil porque muitas pessoas estão de férias”, explicou. 

A coordenadora disse que a meta para manter o estoque do hemocentro ideal seria de pelo menos 250 bolsas por dia, mas ela está bem abaixo do esperado. Nos últimos dias, no entanto, muitas pessoas têm procurado a instituição para realizar a doação espontânea. “Convidamos a sociedade a nos ajudar a garantir essa meta. Eu acredito que conseguiremos todas essas bolsas”.

Estoque crítico desde o final do ano passado

 As doações podem ser feitas no Hemoam da  Constantino Nery e na unidade da Maternidade Ana Braga, na Zona Leste.  Podem doar pessoas com mais de 50 quilos, que estejam com boa saúde, homens e mulheres entre 16 a 69 anos, que estejam bem alimentados, e não tenham ingerido bebida alcoólica. 
 

Publicidade
Publicidade