Publicidade
Manaus
LOTE À VENDA EM INVASÃO

Homem anuncia no site de OLX a venda de lote invadido em Manaus

O lote fica localizado em uma invasão no bairro Águas Claras, na zona Norte da cidade 22/03/2017 às 05:00 - Atualizado em 22/03/2017 às 16:47
Show 95
No anúncio, o homem explica que o terreno mede 6 metros de largura e 11 de comprimento e custa R$ 4.500. Foto: Aguilar Abecassis
Alik Menezes Manaus

A casa própria é o sonho de muitas pessoas e é em cima desse ideal que muitos invasores de terra lucram, comercializando barracos em diversas ocupações irregulares da cidade. A ousadia é tanta que eles até anunciam os ‘imóveis’ em sites especializados em vendas na internet.

Certo da impunidade, um homem identificado apenas como “Rodolfo Cesar” anunciou recentemente, no site OLX, a venda de uma casa localizada em uma invasão no bairro Águas Claras, na Zona Norte da cidade. Bem articulado, o invasor ainda disse à reportagem - que se pasou por um comprador  - que a casa fica localizada em um das “áreas privilegiadas da invasão”. “Fica bem próximo da avenida das Flores, estou vendendo por um ótimo preço, já que daqui algum  tempo essa área vai ficar ainda mais valorizada”, alegou, por telefone.

‘Investidor’

No anúncio, Rodolfo explica que o terreno mede 6 metros de largura e 11 de comprimento e custa R$ 4.500. A reportagem ligou para o número informado no anúncio, Rodolfo atendeu tranquilamente e informou que ele mesmo construiu o barraco e está vendendo porque está precisando de dinheiro para “fazer investimentos”. 

Inicialmente, Rodolfo disse que R$ 4.500 “é um ótimo valor e não tem como vender por menos”. “É uma bagatela, sabe? Eu não tenho como oferecer por menos, por menos é melhor eu dar logo, pois não vai pagar o meu trabalho”, justificou. Negociador, ele diz aceitar até entrada de R$ 3 mil e o restante parcelado. Para convencer o comprador, ele afirma ainda que tem documentos que legalizam a posse do terreno, mas se nega a mostrar a documentação para o suposto comprador. “Tenho documento da Prefeitura e da delegacia que legaliza tudo”. 

Rotina

Segundo o delegado titular da Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente (Dema), Samir Freire, esse tipo de prática não é nenhuma novidade. No mês passado foram registrados 30 casos de pessoas vítimas de estelionatários, uma delas referente ao caso citado na reportagem. “Cerca de 30 pessoas já foram ouvidas somente em fevereiro”.

Segundo Samir, muitas pessoas são atraídas e compram essas casas pelo fato de o valor ser mais acessível. “Se a pessoa paga um aluguel de 200 a 300 reais, acham que compensa comprar uma casinha destas por R$ 1.000”, explicou.  

O delegado Samir Freire, da Dema, explicou que esse tipo de documentação não existe para áreas de invasão e informou que o indivíduo pode responder também pelo crime de  estelionato. 

Rodolfo Cesar disse que tinha documentação da área, mas não quis mostrar. O Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb) informou que precisaria de informações como o nome da rua e algum ponto de referência para saber qual a situação da área. Mas adiantou que nenhuma área invadida tem documentação que legalize o terreno em Manaus.  

Essa é apenas uma das inúmeras invasões da cidade. No ano passado, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semma) registrou 48 focos de invasão e apenas 27 deles foram extintos pelos órgãos de fiscalização e controle que compõem o Grupo Integrado de Prevenção às Invasões em Áreas Públicas (Gipiap). Este ano,  em apenas 51 dias, 14 novos focos foram registrados em bairros das zonas Leste e Norte.

Publicidade
Publicidade