Publicidade
Manaus
Manaus

Homem atinge mulher com furadeira de gesso e é preso pela polícia em Manaus

A vítima, de nome e idade não revelados pela Polícia Civil, é homossexual e foi atingida na costela. De acordo com o delegado Abraão Serruya, o suspeito foi atuado por tentativa de homicídio com agravante de homofobia 31/12/2015 às 14:55
Show 1
Nildo de Souza Santos é suspeito de cometer crime
fábio oliveira ---

Investigadores do 10º Distrito Integrado de Polícia (DIP) cumpriram o mandado de prisão temporária em desfavor de Nildo de Souza Santos, de 40 anos. Ele é suspeito de tentar matar uma mulher com uma pistola de furar gesso.

A vítima, de nome e idade não revelados pela Polícia Civil, é homossexual e foi atingida na costela. O disparo transfixou e saiu na outra lateral. O caso aconteceu no último dia 20 deste mês, por volta das 18h30, no beco Nova Esperança, bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste.

De acordo com a equipe de investigação do 10º DIP, a vítima relatou em depoimento que o suspeito sempre a assediava. Ela informou que sua companheira foi tomar satisfações com o homem e pediu para que o mesmo parasse de assediar sua namorada.

O suspeito ficou furioso, se armou com uma pistola de furar gesso e foi até à casa da vítima. Conforme consta no boletim de ocorrência da unidade policial, o suspeito atirou do lado de fora da casa. O tipo de prego perfurou a porta e atingiu a vítima dentro de casa. A mesma foi socorrida e encaminhada ao pronto-socorro 28 de Agosto, no Adrianópolis, onde ficou internada por mais de uma semana.

Ontem pela manhã ela prestou depoimento na sede do distrito policial. De acordo com informações do 10º DIP, a vítima perdeu parte dos rins e intestino por conta da gravidade do disparo.

O suspeito se apresentou na última segunda-feira (28) e no distrito policial recebeu voz de prisão dos investigadores. Ele ficará preso na cela da delegacia e a prisão temporária será convertida em preventiva.

De acordo com o delegado Abraão Serruya, o suspeito foi atuado por tentativa de homicídio com agravante de homofobia. O delegado acredita que ele cometeu o crime porque a vítima era homossexual.


Publicidade
Publicidade