Publicidade
Manaus
Manaus

Homem é preso por vender produtos de uso exclusivo das Forças Policiais pela Internet

Luiz Eduardo de Souza da Silva oferecia na página do Facebook “Classificados AM” algemas, granadas de efeito moral, entre outros equipamentos. Ele foi preso portando ainda R$ 459 em cédulas falsas 21/10/2015 às 21:16
Show 1
Luiz Eduardo foi preso no fim da tarde desta quarta-feira (21) num posto de gasolina
Rafael Seixas Manaus (AM)

Policiais da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) prenderam Luiz Eduardo de Souza da Silva, no início da tarde desta quarta-feira (21), por ofertar produtos de uso exclusivo das Forças Policiais numa página do Facebook. A prisão ocorreu no Auto Posto Netão, localizado na rua 27, n° 13, núcleo 4, Cidade Nova,  Zona Norte de Manaus.

O rapaz portava um crachá de agente penitenciário do Estado. A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) não soube confirmar, até o fechamento desta matéria, se o rapaz é realmente um agente penitenciário.

Equipamentos, como algemas e granadas de efeito moral (de luz e som), eram vendidos por ele na página “Classificados AM”. “Estávamos investigando ele desde segunda-feira (19). Nos passamos por compradores no Facebook e marcamos um encontro no posto. Com ele foram apreendidas ainda cédulas falsificadas, totalizando R$ 459”, informou Cleitman Coelho, tenente-coronel responsável pelo Comando de Policiamento Especializado (CPE).

Na página em que oferecia os produtos, há diversos usuários negociando os preços e alguns, como o internauta Edilson Pinheiro, perguntando se Souza tinha em seu estoque um fuzil – armamento de uso exclusivo das Forças Armadas.

De acordo com o comandante Coelho, esses internautas serão investigados por meio do número de IP dos computadores. “É importante explicar que a origem desses equipamentos pode ser rastreada por meio do número do lote (presente nos materiais)”, informou.

O rapaz foi levado para o 6° Distrito Integrado de Polícia (DIP), no bairro Cidade Nova, na Zona Norte. O crime será investigado pela Polícia Civil.



Publicidade
Publicidade