Publicidade
Manaus
Terceira Idade

Idosa recupera memórias e emociona após aulas na Fundação Doutor Thomas

Izabel Chagas é portadora de Alzheimer e, após participar de programa, escreveu carta e recuperou memórias 10/04/2016 às 07:30
Isabelle Valois Manaus (AM)

Há oito anos morando na Fundação Doutor Thomas (FDT), Izabel Chagas, 97, portadora de Alzheimer, surpreendeu a todos os assistentes da casa quando, após fazer as aulas de português do Programa Municipal de Escolarização do Adulto e de Pessoa Idosa (Promeapi), escreveu uma  carta  emocionante ao professor e orientador da turma.

Além de agradecer por toda paciência de Joel Cabral de Abreu, 40, responsável pelo ensino de Izabel e de mais 22 idosos da fundação, ela demonstrou todo o carinho e admiração ao professor pelo respeito e dedicação para ensinar e até relembrar o que um dia foi esquecido devido a doença.

“Acredito que foi um dos melhores presentes que  recebi em minha vida. Não esperava que Izabel conseguisse fazer esse esforço e elaborar uma carta, ainda mais agradecendo pelo meu trabalho. Sei das limitações ocasionadas por causa da doença, mas isso me mostrou que todo esforço vale muito quando temos um retorno como este”, disse o professor.

Pouco se sabe da história de Izabel, mas conforme Joel, ela  é muito boa em cálculos e é apaixonada por geografia. “Izabel aparente ter,  algum dia,  ensinado  muita gente. Considero uma aluna inteligente e dedicada. Claro que tem os traços da doença, mas acredito, sim, que as aulas têm ajudado bastante ela a reviver as memórias”, celebrou. “E a carta foi um fruto disso”, completou o professor. 
 Pescador
Assim como Izabel, outro fruto desse programa é o aposentado  Raimundo Sena, 71. Filho de pescador, durante muito tempo passou a vida trabalhando com a venda de peixes na feira da Panair, Centro. Sem condições financeiras e sem o apoio da família, Sena nunca frequentou  a escola e, por isso, não sabia nem ler e muito menos escrever. Nunca passou na cabeça que este dia chegaria, mas chegou. Depois de seis meses de aulas no programa, Raimundo Sena consegue ler e escrever as  frases mais conhecidas da convivência com os pescadores e o  pescado.

Para a coordenadora do Promeapi, Maria da Luz, esse tipo de atividade é considerada uma arte e terapia para todos os internos da FDT. “Aqui eles se divertem, trocam ideias, relembram  fato e, casos como de Izabel e de Sena, nos mostram a importância desse tipo de atividade. O melhor é ver a dedicação de cada um, temos idoso que até navegam na internet tudo com a ajuda do programa”, reforçou.

Escolarização de idosos

O Programa Municipal de Escolarização do Adulto e da Pessoa Idosa (Promeapi) existe desde 1999. Conforme a coordenadora do projeto na Fundação Doutor Thomas, Maria da Luz, desde o início do programa o projeto vem atendendo a fundação. Maria informou que o programa atende a todas três categorias divididos em indepentes, médio-dependente e alto-dependente. Os funcionários e ajudantes também se envolve no momento das aulas que são administradas de segunda a sexta-feira, das 7h às 11h,e variam entre as disciplinas de português, matemática, história e geografia, segmento da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Números: 110

São os idosos atendidos na Fundação Doutor Thomas (FDT). Pelo menos 23 participam do Programa Municipal de Escolarização do Adulto e de Pessoa Idosa (Promeapi).

 

Publicidade
Publicidade