Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
REUNI_O_123_3F60D9AE-E1EF-48B5-AFD7-2393D172B4FB.JPG
publicidade
publicidade

MEDIDA

Indiciados por violência contra a mulher podem perder posse de arma no AM

Modelo de medida protetiva foi criado pela Defensoria do AM e delegacias após o Governo Federal sancionar um decreto que facilita o acesso a armas. Defensoria teme que flexibilização aumente vulnerabilidade das mulheres em caso de violência doméstica


23/01/2019 às 16:52

A Rede de Atendimento e Proteção à Mulher em Situação de Violência, que conta com a participação da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), elaborou um modelo de medida protetiva que prevê a suspensão da posse e do porte de arma de fogo do agressor. A medida, anunciada nesta terça-feira (22), foi tomada após o Governo Federal sancionar, na última semana, um decreto que facilita a posse de armas no Brasil.

Para a Rede de Atendimento, a flexibilização da posse de armas de fogo pode aumentar a vulnerabilidade das mulheres em caso de violência doméstica. “Vejo como um grande retrocesso a edição desse decreto, uma vez que empodera o agressor. É perigoso não apenas para a integridade física da vítima, já que também facilita a violência psicológica e a simples existência desse objeto lesivo é uma ameaça à mulher vítima de violência", alerta a defensora pública Pollyana Vieira, coordenadora do Núcleo de Atendimento à Mulher Vítima de Violência (Naem).

O novo modelo de medida protetiva passa a ser usado nos pedidos feitos para casos em que o agressor tenha a posse ou o porte de armas. A proposta foi definida após reunião da Rede de Atendimento na manhã de terça-feira (22). As vítimas podem solicitar a medida no Naem, localizado na avenida presidente Kennedy, 399, na Colônia Oliveira Machado, Zona Sul de Manaus.

A Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM), que fica na Avenida Mário Ypiranga Monteiro, conjunto Eldorado, bairro Parque Dez, na Zona Centro-Sul, e a Delegacia da Mulher anexa ao 13° Distrito Integrado de Polícia (DIP), na rua Santa Ana, bairro Cidade de Deus, Zona Norte, também podem ser acionadas para que a medida seja requerida. A defensora Pollyana ressalta que cabe ao judiciário analisar os pedidos de medida protetiva após a solicitação.

Titular da DECCM, a delegada Débora Mafra orienta as mulheres a denunciarem os casos de violência o quanto antes para impedir os agressores de terem o direito a adquirir armas. “O decreto exige que a pessoa não esteja respondendo a inquérito policial ou processo criminal para ter a posse de arma de fogo. Então, é importante que a mulher denuncie para impedir que o marido ou ex-companheiro, por exemplo, compre uma arma”, ressalta Mafra.

Além da Defensoria Pública do Estado e das delegacias especializadas, também fazem parte da Rede de Atendimento e Proteção à Mulher em Situação de Violência o Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher (Cream), o Serviço de Apoio Emergencial à Mulher (Sapem) e as secretarias estaduais de Segurança Pública (SSP) e de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc).

publicidade

Violência psicológica

Para Márcia Alamo, secretária executiva de Políticas para as Mulheres do Amazonas (SEPM), órgão vinculado à Sejusc, a presença da arma em casa aumenta a agressão psicológica nos casos de violência doméstica.

“A violência doméstica começa com a violência psicológica. Com a arma é muito maior a violência psicológica a que é exposta a mulher vítima”, destaca. A mera exposição à arma faz com que a vítima se sinta coagida, completa a defensora Pollyana Vieira.

“Como defensora, tenho muita preocupação. Nós temos dados elevados de violência contra a mulher em que não se chega ao feminicídio. Com a arma, há essa possibilidade e o homem vai usar o objeto que estiver à sua disposição para a agressão”, diz ela.

Projetos da Rede para 2019

A reunião realizada pela Rede de Atendimento e Proteção à Mulher em Situação de Violência também discutiu outras iniciativas para o enfrentamento do problema e a estruturação do grupo, com projetos que devem ser realizados ao longo de 2019. “Nós trabalhamos de maneira integrada e essas reuniões são importantes para a nossa articulação”, avalia Pollyana.

publicidade
publicidade
Justiça determina afastamento de médico acusado de violência obstétrica em Manaus
‘Queria que acabasse’, diz mulher que pulou no rio para fugir das agressões do marido
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.