Publicidade
Manaus
Vagas

Pelo segundo mês, indústria e comércio voltam a abrir vagas em Manaus

De acordo com o diretor da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDLM), Ralph Assayag, esse saldo positivo nas contratações se deu pelo lançamento de um novo empreendimento comercial em Manaus 26/08/2016 às 16:34 - Atualizado em 26/08/2016 às 16:36
Show 1127407
Setor de serviços também apresentou alta nas contratações e a expectativa é de abertura de mais postos de trabalho (Foto: Evandro Seixas)
acritica.com Manaus (AM)

Indústria e comércio finalizaram o mês de julho positivamente quanto à criação de novos postos de trabalhos no Amazonas. No setor industrial, foram registrados 2.665 novos contratos e 2.392 demissões, resultando em saldo positivo de 273 postos de trabalho. Já no comércio, o saldo foi positivo em 308 postos, sendo 2.612 pessoas contratadas contra 2.304 demitidas. O comércio varejista foi o que mais contratou (1.924) e o que mais demitiu também (176) neste mesmo período. Os dados foram divulgados, ontem, pelo Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

De acordo com o diretor da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDLM), Ralph Assayag, esse saldo positivo nas contratações se deu pelo lançamento de um novo empreendimento comercial em Manaus. “Tivemos a inauguração de mais um shopping comercial na cidade, o que, com certeza ajudou nas contratações. Desde junho foram quinhentos novos contratos para atuar nesse empreendimento, o que ajudou a estabilizar o número de demissões e a probabilidade é de crescimento, tanto para o comércio quanto para a abertura de novos postos de trabalho até o final do ano”, ressaltou Assayag.

O setor da construção civil fechou o mês de julho com saldo negativo em menos 53 postos de trabalho, registrando 1.237 admissões contra 1.290 demissões.

Para o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Amazonas (Sinduscom/AM), Frank do Carmo, o resultado negativo no setor é reflexo dos términos de obras em alguns empreendimentos.

“Na realidade, esse ciclo se explica pelo término de obra nos empreendimentos, como não dá para realocar a mão de obra em outro local, muitos trabalhadores são demitidos. Essa é uma diferença pequena para um setor que tem aproximadamente 50 mil trabalhadores nos canteiros de obra. Mesmo com a taxa de desemprego negativa no mês passado, o empresariado já demonstra uma melhor confiança no mercado, o que dá um ânimo para o lançamento de novos empreendimentos e o surgimento de novos postos de trabalho. E temos previsão de dois novos lançamentos para esse mês de agosto, o que, com certeza, irá abrir mais novas vagas no setor da construção civil”, comentou Frank.

Serviços

Outro setor que vem amargando intensa baixa nos postos de trabalho é o de serviços, com menos 1.149 postos. No período foram registradas 3.340 contratações e 4.489 demissões. Os setores de serviço de comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviço técnico registraram 1.171 contratações e 1.285 demissões. Já os de alojamento, alimentação, reparação, manutenção com 1.164 novos contratados e 1.836 demitidos. No acumulado de janeiro a julho, todos os setores registram queda na geração de novos empregos.

Outros segmentos

Na indústria de material elétrico e de comunicações, houve 1.058 contratações e 613 demissões em julho, segundo o Caged, ficando ainda com um saldo positivo de 445 postos. A indústria do papel, papelão, editorial e gráfica registrou 339 demissões para 52 contratações.

Publicidade
Publicidade