Publicidade
Manaus
MUDANÇAS

Infraero deve disponibilizar área do 'Eduardinho' para exploração comercial

Estatal informou que fará um estudo para definir a melhor forma de dar um novo destino ao espaço vazio 01/08/2017 às 21:52 - Atualizado em 01/08/2017 às 22:00
Show capturar
Infraero diz que redução nas operações causaram o fechamento (Fotos: Aguilar Abecassis)
Silane Souza Manaus (AM)

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) deve disponibilizar as instalações do terminal 2 do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, mais conhecido como Eduardinho, localizado no bairro Tarumã, Zona Oeste, para a exploração comercial. Mas não há previsão de quando isso vai acontecer. 

A estatal informou que ainda será feito um estudo comercial para definir a melhor forma de dar um novo destino a área de 5,7 mil metros quadrados que ficará vazia após a transferência das operações para o terminal 2, que começaram a ser feitas ontem. 

Para isso, a empresa fará sondagens ao mercado antes de definir o melhor modelo a ser oferecido em licitação. Conforme a Infraero, há casos de aeroportos que ampliaram seus segmentos de logística de carga ou que passaram a oferecer lojas como home-centers, que reúne tudo que o cliente precisa num só lugar.

Ontem, ainda tinha alguns passageiros que não sabiam da desativação do “Eduardinho”. Era o caso da aposentada Marilene Siliprandi, 54, que foi ao local comprar uma passagem para o município de Apuí (distante 453 quilômetros de Manaus). “Vai ficar um pouco mais longe e talvez mais complicado porque o Eduardo Gomes é maior, mas acredito que não vai trazer prejuízo”, disse. 

Para o microempresário Luciano Barreto, 39, a princípio a mudança pode deixar os passageiros do “Eduardinho” meio perdidos. Mas como o terminal 1 do Aeroporto Internacional tem uma estrutura maior e mais confortável, rápido eles se adaptarão ao novo ambiente. “As pessoas gostam de conforto e o Eduardo Gomes oferece isso, além de ter lojas de vários segmentos”, destacou. 

Vantagens

A estrutura maior e mais confortável é justamente uma das vantagens que os passageiros vão ter, de acordo com o superintendente do Aeroporto de Manaus, Abibe Ferreira. “Será uma mudança para melhor para quem antes chegava ou partia de Manaus pelo terminal 2, tanto para os passageiros e usuários como para os demais funcionários do Eduardinho”, disse.

E sem nenhum impacto na programação regular dos voos, conforme informou. O superintendente disse ainda que lojas que hoje estão no terminal 2 também poderão mudar de instalações. “A Infraero já está em diálogo com os lojistas para saber do interesse deles em mudar para o terminal 1”.

O diretor comercial da Map Linhas Aéreas, Décio Assis, disse que está havendo várias reuniões para definir a data que as empresas do terminal 2 se instalarão no terminal 1 do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. Até ontem, não havia nada definido.

Movimentação baixa

A queda na movimentação de passageiros foi o maior fator que levou a Infraero a reavaliar o uso das estruturas do Eduardinho, procurando torná-lo economicamente mais rentável. Em 2014, a movimentação do terminal 2 foi de 762 mil embarques e desembarques. Já em 2015, esse número caiu para 402 mil e em 2016 a queda foi maior ainda, com apenas 132 mil embarques e desembarques em um terminal de passageiros com capacidade para operar até 2 milhões de passageiros ao ano.

Aeroporto bem avaliado

 O Aeroporto Internacional de Manaus Eduardo Gomes superou a meta estipulada pelo governo federal (de nota 4), em 30 dos 38 itens avaliados sobre os 15 principais aeroportos do país. Com nota 4,29, o terminal ficou na 2ª posição do ranking geral na categoria dos aeroportos com fluxo de até 5 milhões de passageiros por ano, perdendo apenas para o aeroporto de Cuiabá. Os dados são da Pesquisa Permanente de Satisfação dos Usuários, divulgada na última segunda-feira.

Os principais destaques de Manaus foram a cordialidade dos funcionários da imigração (4,58), a qualidade das instalações de estacionamento de veículos (4,17), e a disponibilidade de vagas nos estacionamentos (4,15). 

No item sobre restituição de bagagem para voos domésticos, Manaus divide o melhor tempo junto com os aeroportos de Cuiabá, Fortaleza e Natal: são apenas seis minutos para a chegada da 1ª mala do voo na esteira de restituição. Já no indicador sobre espera na fila para embarque doméstico, o terminal leva o segundo melhor tempo dos avaliados: são, em média, apenas sete minutos na fila, enquanto em Guarulhos (SP) são cerca de seis minutos.

Reforma

O Terminal 1 foi inaugurado em 1976 e passou por uma reforma entre 2011 e 2015. Sua área foi totalmente ampliada e 39,4 mil m² para 97,25 mil m². A capacidade aumentou de 6,4 para 18,2 milhões de passageiros por ano. O destaque da reforma é a divisão do aeroporto em dois níveis: o inferior para desembarque e o térreo para embarque.

Publicidade
Publicidade