Publicidade
Manaus
INVASÃO

Dois grupos distintos ocupam área verde de conjunto da Zona Norte de Manaus

Boa parte dos invasores se instalou no local há quase dois meses. A outra começou a invadir na última segunda-feira 26/05/2017 às 05:00
Show invasao
De acordo com os invasores, as invasões são distintas, apesar de ocuparem o mesmo terreno (Fotos: Gilson Mello / Freelancer)
Silane Souza Manaus (AM)

Uma invasão numa área verde ao lado da Escola Estadual Neire Marque da Silva, na avenida Marginal Esquerda, conjunto Galileia, Zona Norte, tem incomodado os moradores da área em razão da destruição da mata. Boa parte dos invasores se instalou no local há quase dois meses. A outra começou a invadir na última segunda-feira. De acordo com eles, as invasões são distintas, apesar de ocuparem o mesmo terreno.

O motoboy Joseney Fernandes, 32, disse que a invasão foi tema de discussão entre os moradores do conjunto porque vem causando diversos transtornos. “Como os barracos são improvisados, toda a água e esgoto deles escorrem para a avenida principal prejudicando o asfaltado da via. Além disso, à noite, os invasores tocam fogo para limpar o terreno e a fumaça invade toda a região. Os assaltos também aumentaram com a invasão”, afirmou.

A intenção dos moradores era procurar a imprensa para denunciar a destruição da área verde, conforme Fernandes. “Estamos fazendo de tudo para que essa invasão seja tirada dessa área. Denunciamos aos órgãos competentes, mas não houve nenhuma ação efetiva e os invasores já destruíram quase todas as árvores que ainda estavam em pé. Era uma área grande que agora está cheia de barracos. É muito triste testemunhar isso e não poder fazer nada”, afirmou.

Na área que foi invadida há quase dois meses, os invasores disseram que ela foi doada pela Superintendência Estadual de Habitação (Suhab). Em torno de 37 famílias vivem no local. Já a outra parte, que foi ocupada há quatro dias, é de responsabilidade de um cacique. “São duas situações diferentes. Na nossa área não tem ninguém ilegal, o terreno foi doado pela Suhab às famílias e nós estamos em processo para puxar energia para as casas”, disse a dona de casa Oliana Furtado Sodré, 47.

A Suhab informou que não doa terreno para ninguém, principalmente se tratando de uma área verde, cuja responsabilidade é do município. O Grupo Integrado de Prevenção às Invasões em Áreas Públicas no Estado do Amazonas (Gipiap), por sua vez, informou que a denúncia da invasão no conjunto Galileia será apurada pelos órgãos de fiscalização e controle que compõem o Gipiap.

Publicidade
Publicidade