Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
Manaus

Invasões e violência no conjunto Ajuricaba preocupam moradores

Assaltos constantes e a ausência de áreas de lazer são reclamações frequentes no maior conjunto residencial do bairro Planalto



1.jpg A praça é uma das únicas áreas de lazer, mas também sofreu ocupação irregular
07/10/2013 às 08:08

A boa infra-estrutura e a quantidade de serviços oferecidos no conjunto Ajuricaba, Zona Oeste da cidade, deveriam deixar a vida de quem mora na área bem mais tranquila.

Mas uma série de problemas atrapalha o dia-a-dia de quem é morador da região. Questões como a apropriação indevida de espaços públicos, os assaltos constantes e a ausência de áreas de lazer são reclamações frequentes no maior conjunto residencial do bairro Planalto.

Um dos exemplos de como a desordem incomoda o bem estar dos moradores está na praça central do Ajuricaba, na avenida Constantinopla. Apesar de ainda possuir árvores frutíferas e uma estrutura conservada, alguns lanches e um pequeno restaurante (que fez um piso de cimento bem no meio do espaço público) resolveram se apropriar de parte local. Segundo moradores, nenhum possui licença para funcionar. Aos finais de semana, é a vez de um lava-jato se aproveitar da área da praça. Recentemente, os mototaxistas também montaram um ponto no lugar.

O lixo deixado por todas estas atividades geralmente é retirado pelos próprios moradores. “Se a praça é um espaço público, como é que as pessoas invadem o lugar para ganhar dinheiro aqui? Não faz sentido. Isto sem contar que muita gente que trabalha aqui próximo, resolve utilizar a rua da praça como estacionamento e acabam obstruindo a garagem de quem mora aqui. Todo dia praticamente tem briga por causa disto. Já denunciamos a situação para o Manaustrans, mas nada é feito”, enumerou o autônomo Geraldo Gomes, 62.

Luta

Outra praça do conjunto, localizada na rua C-15, envolveu uma verdadeira batalha dos moradores para ser erguida. Um terreno baldio, onde se proliferavam caramujos africanos, deu lugar a uma pequena praça e um playground em 2010. O comerciante Carlos Américo, 57, foi um dos que mais se empenhou na luta pela construção. “Verificamos na prefeitura e havia um projeto de praça neste espaço aprovado desde os anos 80. Só que passaram vários governos e nada era feito. Fizemos vários abaixo-assinados e reportagens, até a coisa acontecer. Hoje aqui é bem mais seguro e as crianças tem um espaço para se divertir”, comentou Carlos, que reivindicou algumas melhorias no espaço, como a substituição de alguns brinquedos e lâmpadas que estão danificados.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.