Publicidade
Manaus
Manaus

Invasores ocupam margens da Avenida das Flores, em Manaus

A área, que é de propriedade particular, segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, vem perdendo diariamente novas árvores devido à degradação 03/09/2015 às 10:24
Show 1
As barracas foram erguidas às margens da avenida, que ainda está em obras
oswaldo neto Manaus

Na margem do que deve se tornar a avenida das Flores, um novo grupo de invasores vem destruindo uma área verde promovendo uma “urbanização” improvisada de forma totalmente irregular. A área, que segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), é de propriedade particular, vem perdendo diariamente novas árvores devido à degradação do meio ambiente.

Mais de 50 barracos compõem a comunidade que se instalou na área das obras, localizada no conjunto Cidadão 12, Zona Norte. A maioria das casas foi construída com tábuas, ripas e telhas e se firmaram em terra batida, próximo de uma extensa área verde e abaixo de um barranco que será pavimentado. No espaço verde, os moradores queimam lixo e abrem espaço para a construção de novas casas. A reportagem ainda constatou a presença de mercadinhos e igrejas na área invadida.

De acordo com operários que trabalham na construção da via, a invasão existe há aproximadamente três meses e continua se expandindo mata adentro. Eles contam que os moradores já foram notificados a deixarem o local, mas desrespeitaram a ordem, pois diariamente novas casas ocupam o espaço. “Eles estão queimando tudo aí e, se deixarem, vão continuar mesmo. É complicado porque é uma área de obras, onde uma criança pode sofrer um acidente. De vez em quando elas se agarram nas máquinas. A gente briga, mas sabe como é criança, não é?”, disse um trabalhador, que não quis se identificar.

Outro operário afirmou que os serviços no local também ficam prejudicados por conta das queimadas. “Fica difícil respirar porque já tem o problema da poeira, aí quando eles resolvem tirar o dia pra queimar nós é que saímos prejudicados”, contou.

Na Justiça

De acordo com o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), até o fechamento desta edição a gerência de fiscalização do órgão não havia recebido nenhuma denúncia da invasão na avenida das Flores. A Semmas informou que o caso está sendo analisado em ação de reintegração de posse em andamento na Justiça, porém não deu detalhes.

Cronograma teve atrasos

O problema das invasões não é o único que vem marcando negativamente a construção da avenida das Flores. Em meio aos buracos que surgem, à poeira e à falta de segurança, A CRÍTICA também já noticiou os impasses envolvendo os prazos da obra.

No mês passado, o governador José Melo (Pros) afirmou que os primeiros trechos da avenida, que compreendem seis quilômetros, seriam entregues ainda neste ano. A obra foi orçada em R$ 237 milhões. Quando o ex-governador Omar Aziz assinou a ordem de serviço para o começar as obras da avenida das Flores, a previsão era que fosse concluída até o final de 2014. As condições climáticas foram justificativas dadas pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) para o atraso das obras.

“Essas obras (avenida das Flores e AM-070) são de grande impacto para Manaus e fazem parte de um planejamento ainda maior. A avenida das Flores vai permitir que o fluxo de trânsito que acontecem algumas vias completamente comprometidas, como a AM-010, seja dividido. E ela vai cortar o anel leste e se encaixar com o anel sul, com outra obra que está em andamento, saindo do Distrito Industrial até o aeroporto de Manaus. Será um anel viário muito importante”, ressaltou Melo na época, quando também declarou que o segundo trecho será entregue no verão de 2016.

Etapas

A construção da avenida está dividida em três etapas. A obra começou pelos trechos 3 - que vai do Terminal de Integração 3 (T3), na avenida Noel Nutels e se estende em linha reta até o Igarapé do Passarinho -, e 4, que segue cruzando as avenidas Margarita, no bairro Nova Cidade, e Sete de Maio, no Santa Etelvina, até a rodovia estadual AM-010.

O trecho 2 começa no encontro das avenidas Timbiras e Governador José Lindoso (Torres) e segue pela avenida Noel Nutels, próximo ao Terminal de Integração 3, na Zona Norte. Nos trechos que já foram abertos, o fluxo de pedestres também é intenso, apesar da ausência de infraestrutura, como iluminação pública e calçamento, e dos relatos de assaltos no local.

Desapropriações

O Governo do Estado vem negociando com o Banco do Brasil recursos para desapropriações para as obras da avenida das Flores e rodovia AM-070. Em reuniões em Brasília nesta semana, Melo busca empréstimos do governo federal no valor de US$ 1,2 bilhão para obras de infraestrutura. 

Publicidade
Publicidade