Sábado, 26 de Setembro de 2020
CHIBATÃO

IPAAM realizará perícia para confirmar causa de incêndio

Processo de rescaldo do incêndio, iniciado na tarde desta terça-feira, devem seguir até a noite de hoje



AEFB643E-7921-4AB8-8615-D252D1709CAD_7C7081DC-6F19-495F-9514-223D6B22D2EC.jpeg Foto: Jair Araújo
19/08/2020 às 14:05

 

Um processo de perícia será realizado, pelo Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM), no Porto Chibatão, situado na Zona Sul de Manaus. O objetivo será confirmar a causa do incêndio de grandes proporções, que se alastrou na área desde a tarde de terça-feira (18). A previsão é que os procedimentos de rescaldo, que estão sendo realizados pelo Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM), se estendam até a noite desta quarta-feira (19). 



O IPAAM informou à equipe de reportagem, que, por enquanto, não irá se manifestar sobre o caso, devido à permanência de técnicos no Porto, averiguando a ocorrência. A previsão é que o instituto se manifeste nesta quinta-feira (20). 

Segundo o chefe do Estado Maior Geral, coronel Jair Ruas Braga, o motivo repassado ao centro de operações do CBAM, a respeito da causa do incêndio, foi o de uma descarga elétrica. 

As chamas foram controladas. Cerca de oito contêineres foram atingidos com queima parcial. Não há risco de explosão. A área foi isolada. Somente houve danos materiais decorrentes do incêndio. 

Combate ferrenho

Um total de 30 bombeiros estão trabalhando na contenção do fogo, pela manhã. Está sendo realizada a retira de contêineres para que os bombeiros possam chegar no foco da propagação do sinistro.

Braga afirmou que a ação do vento “alimentou” as chamas. Não foi possível, ao CBMAM, confirmar os materiais guardados dentro dos contêineres. “Estamos tirando, junto da empresa, os contêineres, para que possamos avançar e fazer o resfriamento e abafamento”, informou.

Até o momento, os bombeiros gastaram 400 mil litros de água.  Durante o combate ao sinistro, foi utilizado Líquido Gerador de Espuma (LGE) para conter as chamas. “Esse líquido trabalha com [os materiais] da classe A e B, ou seja: de resíduos sólidos e líquidos inflamáveis, respectivamente. [A LGE] é um poderoso produto, que reage por resfriamento e abafamento”, disse Braga.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.