Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
ECONOMIA

IPVA e IPTU: Saiba quais as melhores opções de pagamento para o início do ano

Todo começo de ano o consumidor tem uma preocupação a mais: não perder os prazos de descontos e parcelamentos de tributos. Especialista dá dicas de como se planejar



terapia2_D8E7E587-FAB5-4CA6-A56A-C5B29980D545.JPG Foto: Divulgação
30/12/2018 às 16:41

Nem bem passaram as festividades de final de ano, a empresária Maria de Jesus Lucena já começa a fazer os cálculos para quitar as primeiras dívidas que chegam com 2019: IPVA e IPTU. Ela garante que o dinheiro para o pagamento dos três veículos que a família possui são os que demandam maiores recursos, por isso parcela a conta. “Como temos mais de um veículo fica pesado pagar à vista, geralmente parcelamos, mas pagamos os boletos antes dos vencimentos”, explica Jesus.

A atitude da empresária amazonense está longe de ser uma retórica na maioria dos casos das pessoas que não se preparam para os gastos de início de ano e acabam se desequilibrando financeiramente. Especialistas afirmam que o grande erro está em não programar esses pagamentos com antecedência.

“Como a maioria das pessoas não traçam um planejamento anual, acabam começando um ano novo com dificuldades financeiras, já que no período há também gastos com matrícula e material escolar, entre outros”, destaca o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos.

O servidor público Carlos Cipriano admite que pagar à vista ou parcelado os tributos depende da “maré financeira” que estiver passando na hora de quitar as dívidas. “Quando a maré está boa pra peixe prefiro pagar em cota única ou parcelado. Mas, quando a maré não está boa, espero o último mês de licenciamento do carro. Aí, eu pago tudo e licencio o carro”, exemplifica.

Equilíbrio

No caso de parcelamento dos impostos, predial e veicular, o educador financeiro Reinaldo Domingos adverte que é preciso saber em que situação financeira a pessoa se encontra: endividado, equilibrado financeiramente ou investidor.

“Se for a primeira ou segunda opção, dificilmente conseguirá fazer o pagamento à vista, restando o caminho do parcelamento. Lembrando que se deve evitar ao máximo recorrer a empréstimos, limites do cheque especial ou qualquer outra maneira de crédito do mercado financeiro, pois isso apenas se tornaria uma bola de neve, devido aos juros altíssimos cobrados”, recomenda.

Caso a situação financeira esteja mais confortável, tendo uma reserva financeira, Domingos recomenda que o pagamento seja feito à vista. Cada estado pratica o próprio desconto, mas, em média, o contribuinte obterá 3% de desconto no IPVA e 4% no IPTU.

“É importante lembrar dos compromissos futuros; muitas pessoas se deixam levar pelo bom desconto e acabam esquecendo que haverá outras contas a serem pagas naquele mesmo mês ou nos próximos. Portanto fique atento: não adianta pagar à vista e conseguir desconto em uma despesa e não ter dinheiro suficiente para quitar as outras”, pondera o especialista em finanças.

Para se educar financeiramente, o educador declara que é preciso, antes de tudo se planejar: “As pessoas não sabem para onde vai seu dinheiro, não possuem controle. Não se dão conta que o descontrole financeiro não acontece nos grandes gastos, mas sim nos pequenos. Para evitar que isso ocorra, o correto é o preenchimento de uma caderneta diária de todos os gastos, que chamamos de apontamento, e realizar uma planilha mensal por três meses, conhecendo os seus verdadeiros números”, observa.

Ele ainda fala que muitos não têm o hábito de se preparar para o futuro e usa como exemplo a aposentadoria, que poucos dão importância.

Reserva financeira

O administrador de empresas, Kitchener Câmara reserva os valores para pagamentos de despesas dando ênfase ao equilíbrio global das dívidas familiares. Para ele, é melhor pagar à vista algumas contas e outras parceladas de modo que nenhuma dívida fique descoberta.

“Às vezes decido na hora o que pagar à vista ou o que parcelar, mas nunca deixo para depois. Também aproveito bem os descontos para quitar o IPTU em cota única. É bem melhor”, avalia o administrador.

O exemplo dele não é regra, mas está longe de ser exceção. O analista econômico Reinaldo Domingos é taxativo ao admitir que um dos aspectos importantes da educação financeira é possuir uma reserva, um escape.

“Isso evita problemas e nos deixa mais seguros, em caso de imprevistos. Enfim, com planejamento, é possível terminar e começar o ano com segurança de uma vida financeira saudável e muitas realizações”, ensina Domingos.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.