Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
9a295648-331c-41bc-aeb7-1d4d8f8dcdbc.jpg
publicidade
publicidade

‘MÁRIO TABATINGA’

‘Já ofereceram a cabeça dele por 300 mil’, diz esposa de um dos réus do ‘Caso Oscar’

“Mário Tabatinga” é acusado de fornecer veículos para grupo liderado pelo narcotraficante “João Branco” matar o delegado Oscar Cardoso, em março de 2014


25/08/2017 às 10:02

O advogado de defesa e a esposa de Mário Jorge Nobre de Albuquerque, o “Mário Tabatinga”, um dos réus do “Caso Oscar Cardoso”, conversaram com a imprensa antes do início do julgamento dele na manhã desta sexta-feira (25), no Fórum Ministro Henoch Reis, em Manaus. Ele e mais quatro réus, incluindo o narcotraficante João Pinto Carioca, o “João Branco”, são acusados de participar do assassinato do delegado Oscar Cardoso, morto com 18 tiros em março de 2014 em Manaus.

“Ele não tem culpa nenhuma na morte do delegado”, disse Lucilene Torres, esposa de “Mário Tabatinga”. Mário é empresário do ramo de venda de veículos e é acusado de fornecer os automóveis usados pelo grupo de atiradores matar o delegado Oscar Cardoso. Atualmente, Mário está preso no Centro de Detenção Provisória (CDP), em Manaus. Segundo a esposa, já ofereceram R$ 300 mil para que Mário fosse morto dentro da prisão. “Dentro da prisão já ofereceram a cabeça dele por R$ 300 mil. Ele vendia carro para quem aparecesse. Esses dias estão sendo terríveis. O Mário era o provedor da nossa família”, afirmou.

O advogado Paulo Trindade, que vai fazer a defesa de “Mário Tabatinga”, afirmou que o cliente dele é inocente, e que acredita que o caso possa ter uma reviravolta até domingo (27), previsão de término do júri. “Ele é inocente. Os veículos de comunicação divulgaram (as informações) conforme o inquérito policial, mas está cheio de falhas”, disse Paulo Trindade.

‘Mário Tabatinga’

publicidade

“Mario Tabatinga” é empresário do ramo de venda de veículos e foi preso em agosto de 2015 na cidade de Puerto Ordaz, na Venezuela. Foi pelo depoimento dele que a polícia conseguiu identificar a maioria dos envolvidos. Mário já havia confessado ter dado o um automóvel Gran Siena, de cor branca e placas OAB-7782, para o traficante “João Branco” assassinar o delegado.

Segundo a Polícia Civil, Mário pegou o carro na locadora de veículos dele e o guardou em casa, no conjunto Parque das Laranjeiras, Zona Centro-Sul, de onde só foi retirado no dia do crime. O Gran Siena estava registrado no Detran-AM em nome de H. Brandão, empresa da mãe coronel da PM Marcos Brandão.

A Polícia Civil divulgou, na época, que Mário fazia parte de um esquema de lavagem de dinheiro no tráfico de drogas. Ele forneceria carros para integrantes da facção criminosa Família do Norte (FDN), liderada por “João Branco”, para transportar drogas, fazer assaltos e crimes de pistolagem em Manaus e na região.

Julgamento atrasado

O julgamento dos réus do caso Oscar Cardoso atrasou na manhã desta sexta-feira (25) no Plenário Juiz Luiz Augusto Santa Cruz Machado, 2º Tribunal do Júri da Comarca de Manaus, no Fórum Ministro Henoch Reis. Previsto para começar às 8h40, a nova previsão foi divulgada para 9h20. Entretanto, desde as primeiras horas da manhã, um grupo de 20 pessoas já formava fila para entrar no Tribunal do Júri.

publicidade
publicidade
Corpo de ex-presidente do Peru que deu um tiro na própria cabeça é velado em Lima
Ex-presidente do Peru morre após dar tiro na cabeça ao ser preso
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.