Publicidade
Manaus
SAIU PARA ROUBAR

‘Já peguei ele no corre pra roubar’, diz preso por matar funcionário da Sefaz em Manaus

Arnielsou da Silva, que participou do latrocínio contra o idoso de 68 anos Raimundo Nonato Cunha, afirmou que a abstinência de droga o levou a cometer o crime 22/09/2018 às 16:14 - Atualizado em 22/09/2018 às 16:28
Show 45 eece378b e275 4dbb a67e bef117091155
Raimundo Nonato Cunha, de 68 anos (Foto: Reprodução/Acervo Pessoal)
Vitor Gavirati e Joana Queiroz Manaus (AM)

“Na hora que eu peguei ele, já peguei ele pra ir no corre pra roubar”. A afirmação, fria e seca, é de Arnielsou da Silva, preso na manhã deste sábado (22), em Manaus, por matar a tiros durante um assalto o funcionário da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) Raimundo Nonato Cunha, de 68 anos.

O idoso estava na garagem da casa dele, no bairro Monte das Oliveiras, Zona Norte, saindo para ir à feira, quando foi abordado por Arnielsou e João Vitor Coelho Porto, de 18 anos, que também foi preso. Raimundo chegou a ser levado ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Galileia, também na Zona Norte, mas não resistiu e morreu.


Na ordem, Arnielsou e João Vitor

Em entrevista à reportagem do Portal A Crítica, logo após ser preso, no 18º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Arnielsou disse que a abstinência de droga o levou a cometer o crime. “Eu saí 5h lá de casa. Eu saí para roubar. Meu destino já era esse. Já era roubar, já. Minha intenção era de usar droga. Já tava já na abstinência da droga e já saí para roubar. Aí já era o destino de roubar, pegar coisa para mim (sic) vender, para mim (sic) usar droga”, contou o criminoso.

À reportagem, Arnielsou não se intimidou em dar detalhes do crime. “Essa arma aqui tava com meu considerado aqui (João Vitor). Tava só com três balas e com essas três balas pegaram nós”, revelou.

Negou ter atirado

Mais cedo, na sede do Instituto Médico Legal (IML) de Manaus, familiares do funcionário da Sefaz morto no latrocínio relataram ao Portal A Crítica que os dois criminosos levaram a carteira de Raimundo Nonato após o balearem.

Questionado sobre o porquê de ter atirado no idoso de 68 anos, e não apenas ter levado a carteira, Arnielsou chegou a negar a autoria do latrocínio. Ele disse à reportagem do Portal A Crítica, no 18º DIP, que ele e o amigo não haviam disparado contra a vítima. “Nós não atiremos (sic), não. Isso aí pode ter sido outra morte”, afirmou.

Arnielsou também declarou que havia pego apenas o celular de Raimundo. “Só celular só. Na hora que eu peguei ele (a vítima), já peguei ele pra mim ir no corre para roubar já. Que ele já tava sabendo já”, afirmou o rapaz que disse já ter sido preso.

Autuados em flagrante

Os dois homens presosforam autuados em flagrante no 18º Distrito Integrado de Polícia (DIP), no bairro Novo Israel, Zona Norte. Após os procedimentos, eles deverão ficar à disposição da Justiça.

Publicidade
Publicidade